menu

Brasil

17/03/2015


Lava Jato: tesoureiro do PT diz que doações ao partido foram legais

A defesa do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, disse hoje (16) que ele não participou de nenhum esquema para arrecadação de propina para o partido. Em nota, o advogado Luiz Flávio D'Urso disse que todas as doações solicitadas por Vaccari foram legais e feitas de forma transparente.

De acordo com denúncia apresentada nesta segunda-feira pelo Ministério Público Federal (MPF) no Paraná, João Vaccari Neto participou de reuniões com ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, preso hoje, nas quais eram acertados os valores de propina que seriam transferidos ao PT como doações legais. Segundo o MPF, foram feitas 24 doações no valor de R$ 4,26 milhões. Além de Vaccari, 26 investigados da Operação Lava Jato foram denunciados hoje à Justiça Federal.

A defesa de Vaccari negou que as doações para o partido sejam fruto de propina. “O senhor Vaccari repudia as referências feitas por delatores a seu respeito, pois as mesmas não correspondem à verdade. Ele não recebeu ou solicitou qualquer contribuição de origem ilícita destinada ao PT, pois as doações solicitadas pelo senhor Vaccari foram realizadas por meio de depósitos bancários, com toda a transparência e com a devida prestação de contas às autoridades competentes”, diz o texto assinado pelo advogado.

D’urso argumentou ainda que Vaccari não era tesoureiro do partido no período citado pelos procuradores da Lava Jato. “Ressaltamos que causa estranheza o fato de que o senhor Vaccari não ocupava o cargo de tesoureiro do PT no período citado pelos procuradores, durante entrevista no dia de hoje, uma vez que ele assumiu essa posição apenas em fevereiro de 2010.”

Desde o surgimento das denúncias envolvendo Vaccari, o PT afirma que só recebe doações de campanha de origem legal.

Notícias relacionadas