menu

Brasil

03/03/2015


Líderes da AL dizem que debate sobre reajuste não foi ampliado

Bahia

Líderes da Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) afirmaram que o debate sobre o reajuste na cota parlamentar, conforme anunciado pelo presidente da Casa, Marcelo Nilo (PDT), não foi ampliado. "Esse debate ainda não chegou pra mim. Quando chegar, vou avaliar isso com a bancada, mas isso normalmente é automático. Quando acontece em Brasília, é repassado. Aqui, nós ficamos quatro anos sem reajuste, algum deve acontecer agora", afirmou o líder do Governo, Zé Neto (PT). O petista lembrou que as discussões serão feitas em cima do orçamento da casa e garantiu que aqui não terá, como na Câmara dos Deputados, a "cota esposa".

O deputado Rosemberg Pinto (PT), líder do partido na AL-BA, disse não ter ouvido nenhum comentário ou debate sobre o tema na Assembleia, mas encara o reajuste como algo natural. "É a regra do jogo. Quando teve uma redução lá no 14º e 15º salários, aqui também reduziu. Não posso avaliar se é bom ou se é ruim, mas é uma regra. Vale para o bem e para o mal", declarou. Apesar da passividade, Rosemberg defende que o reajuste salarial e da cota parlamentar seja "exatamente igual ao reajuste do servidor". "Que o reajuste da cota seja também a mesma coisa da inflação. Todo ano deve fazer isso, porque aí não tem crise nenhuma, evita confusão, especulação", explicou.

Por outro lado, o líder do PSD, segunda maior bancada da Assembleia, Rogério Andrade, disse não ter condição de opinar sobre o assunto sem conversar com a Mesa Diretora e com o presidente, Marcelo Nilo. "Não me debrucei ainda sobre o tema, não fui procurado por ninguém para tratar do assunto", afirmou o parlamentar. Na última semana, a Câmara dos Deputados decidiu reajustar a verba indenizatória e a cota parlamentar em 30%. Historicamente, os reajustes definidos na Câmara são acompanhados pela AL-BA. 

 

(Do Bahia Notícias)

Notícias relacionadas