menu

Brasil

18/01/2016


“Lula, o fim das sanções ao Irã, a luta pelo Estado Palestino e o Nobel”

coluna no 247

Coluna de Walter Santos no portal Brasil 247:

Como Lula compõe o fim das sanções ao Irã, a luta pelo Estado Palestino e o Prêmio Nobel

A decisão dos Estados Unidos e União Européia de suspender as sanções ao Irã, depois de constatado inexistir mais Programa Nuclear naquele País, é saldo positivo das políticas diplomáticas, que antes do êxito anunciado chegaram até a envolver a Turquia e o Brasil em especial, na pessoa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Aliás, Lula tem sido personagem referendado em outros conflitos internacionais, a exemplo da crise entre Israel e Palestina, onde o líder brasileiro defende o Estado Palestino, da mesma forma com que o Brasil protagonizou em 1947 a existência do Estado de Israel, numa reunião com 250 ricos Judeus, em abril de 2010, em Jerusalém.

Repetimos: antes de chegar ao Irã, país que mereceu empenho e diálogo de Lula para superar a então grave crise com o Ocidente liderado pelos Estados Unidos e Europa em face da Politica Nuclear iraniana, relembremos um fato de também magnitude registrado em Jerusalém, em abril de 2010, quando o então presidente brasileiro defendeu abertamente diante de 250 Judeus poderosos do Mundo a criação do Estado Palestino.

Testemunhamos "in loco" e ao vivo a fala de Lula no KING HOTEL, na abertura de Missão Diplomática da qual participamos não só em Israel, mas também na Palestina e Jordânia, onde apesar da temática central ter sido as negociações comerciais, eis que o lider brasileiro chamou a atenção por tocar em dois sérios problemas à época – a crise com o Irã e a guerra entre Israel e Palestina.

Diante de um grupo seleto de homens muito ricos do Mundo, Lula não se intimidou e fez a defesa do Estado Palestino lembrando até a histórica decisão do brasileiro Oswaldo Aranha na ONU, em 1947, de ter liderado a criação do Estado de Israel, por isso se dizia fortalecido a encarar e defender esta ainda indispensável necessidade diplomática porquanto até a presente data não se consolidou.

A PROPOSTA DE LULA E DA TURQUIA

Brasil e Turquia, ambos membros não permanentes do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), lutaram bravamente pelo diálogo entre o Irã e as potências nucleares desde maio de 2010, diante da imposição de sanções contra a República Islâmica por conta de seu programa atômico.

Antes da União Européia definir novo tratado de revisão da politica atômica irariana, o Brasil, Turquia e Irã chegaram a firmar um acordo no início do mês que prevê que a República Islâmica envie 1.200 quilos de urânio pouco enriquecido (LEU, na sigla em inglês) e receberia em troca 120 quilos de material nuclear pronto para ser usado em seu reator de pesquisas.

DESDÉM DIANTE DOS AVANÇOS

À época, o presidente dos EUA, Barack Obama, desdenhou da importância de Lula mas este, ao lado da Turquia, cumpriu papel determinante em abrir diálogo com o Irã tratando à época com entendimentos sobre um Pacto de Paz ignorado pela União Européia que, tempos depois, se viu com necessidade de aplicar os mesmos passos dados pelo lider brasileiro, aliás, em escala um pouco menor do que fora negociado pelo Brasil e Turquia.

Trocando em miúdos, ao longo dos tempos Lula tem se credenciado ainda como um Lider Global, muito além do Brasil e da América do Sul, com nivel e capacidade de tratar de muitos graves problemas em diversos Continentes, algo que já deveria ter suscitado dos organismos internacionais a outorga de Prêmio Nobel da Paz a que faz jús.

Um dia, sem dúvidas, forçosamente em nome do reconhecimento efetivo dos fatos, isto precisará ser feito.

Notícias relacionadas