menu

Brasil

09/12/2015


Lula vê “golpe explícito” contra Dilma em processo de impeachment

O ex-presidente Lula denunciou nesta quarta-feira 9, de Berlim, na Alemanha, uma "tentativa de golpe explícito" contra a presidente Dilma Rousseff no Brasil e chamou a votação de ontem para a formação da comissão do impeachment – cheia de manobras do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de "afronta jamais vista no País".

Para explicar a crise política no Brasil, Lula resgatou o fato de que o PT será o partido que mais governo o Brasil em 500 anos quando Dilma completar seu mandato, em 2018. "E me parece que alguns setores da sociedade brasileira, que perderam a quarta eleição no Brasil, não querem permitir que a presidenta Dilma complete o seu mandato", comentou.

Segundo ele, "depois que terminamos as eleições [de 2014], a oposição não conseguiu descer do palanque, ela continua fazendo campanha, e nós estamos passando por um momento político bastante delicado. Nós temos uma crise política, uma crise econômica e agora uma crise de denúncia de corrupção que já faz um ano que está permeando o noticiário da imprensa brasileira."

Em seu discurso, o ex-presidente disse que Cunha "conseguiu a construção de um apoio muito grande" em torno do impeachment, mesmo que não haja "uma acusação contra a presidenta Dilma". "Entretanto, o presidente da Câmara aceitou um pedido de impeachment, num gesto de vingança", criticou Lula, em referência ao anúncio feito pelo PT de que votaria contra o deputado no Conselho de Ética.

"O que está em jogo na verdade não é o julgamento da presidenta Dilma, é o estado democrático de direito, é a grande conquista que nós fizemos", reforçou Lula. "E é bom lembrar que o Brasil vive hoje o período mais longo da democracia da nossa história", completou. Segundo ele, o que ocorre por aqui "é uma tentativa de golpe explícito contra o Brasil e contra a presidenta Dilma Rousseff".

Lula também comentou a votação ocorrida ontem no plenário da Câmara, depois de muito tumulto, xingamentos e urnas quebradas. Por meio de manobras promovidas por Cunha, os deputados votaram, secretamente, para a formação da comissão especial que discutirá o pedido de impeachment. Para isso, foi criada, porém, uma chapa alternativa, gesto que resultou em recurso apresentado pelo PCdoB ao STF.

"Ontem seria votada uma comissão que analisaria o impeachment… 62 nomes foram indicados pelos partidos. E o presidente da Câmara, numa afronta jamais vista no País, não aceitou a lista apresentada pelos partidos e apresentou a lista dele para concorrer. E resolveu que a votação seria secreta. Houve muita confusão, e a votação foi secreta, e ele ganhou", contou Lula.

"Mas ele ainda não conseguiu voto suficiente para a decisão do impeachment", continuou o ex-presidente, lembrando que "ainda ontem a Suprema Corte revogou todas as decisões do Congresso Nacional e nós vamos agora esperar uma semana, quando haverá o julgamento do plenário da Suprema Corte". "Em contrapartida, nós vamos para a rua para defender o mandato legitimamente eleito da nossa presidenta", anunciou o petista.

Brasil 247

Notícias relacionadas