menu

Piauí

25/04/2017


Mais 4 empresários são presos suspeitos de fraude no PI

Suspeitos de fraudes em licitações com prefeituras e câmaras municipais, mais quatro empresários foram presos no estado. No começo do mês a Operação Escamoteamento cumpriu 96 mandados judiciais no Piauí, Ceará e Maranhão e as prisões desta segunda-feira (24/04) são pelos mesmos crimes.

Segundo promotor de justiça Rômulo Cordão, coordenador do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), foram presos os empresários Rodrigo Fortuna, Joaquim Viana, Leandro Gomes e Francisco Zerbini, que estavam foragidos.

O esquema que envolvia os empresários e servidores públicos pode ter desviado R$ 200 milhões dos cofres públicos.

OPERAÇÃO ESCAMOTEAMENTO
O Gaeco em parceria com a Polícia Rodoviária Federal, TCU, CGU e TCE deflagrou no dia 7 de abril a operação Escamoteamento, com o objetivo de cumprir mandados de prisão e condução coercitiva de donos de empresas atuantes no norte do estado do Piauí e empresas do Ceará.

Tais empresas fechavam contratos para realização de serviços, obras de construção com valores exorbitantes sem a devida prestação do serviço para os quais foram contratadas. A fraude teria rendido cerca de R$ 19 milhões à organização.

O processo investigatório já durava cerca de um ano e meio. Estão sendo cumpridos quase 100 mandados, sendo 46 de busca e apreensão, 36 de condução coercitiva, 13 de prisão preventiva e ainda sequestro de bens.

Promotores do Piauí e Ceará estão envolvidos na operação, assim como, policiais rodoviários, técnicos do Tribunal de Contas da União (TCU), Controladoria Geral da União (CGU) e Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Entre indisponibilidade de bens, sequestros de bens, bloqueio de contas bancárias, o valor chega a R$18.189.644,35, como as empresas contrataram com Piauí e Maranhão, há possibilidade desse valor ser ainda maior, tendo em vista que as características da empresa são as mesmas de contratação com Piaui.

Todos os presos e os que estão sendo conduzidos coercitivamente estão sendo encaminhados para a sede do Ministério público na cidade de Piripiri e depois serão levados para a sede do Gaeco, em Teresina.

180 Graus

Notícias relacionadas