menu

Brasil

13/04/2014


Mídia silencia a expulsão do estudante na palestra de Aécio

EM PORTO ALEGRE

Diversos blogs alternativas têm trazido informações sobre a expulsão de estudante numa palestra de Aécio Neves em Porto Alegre sem nenhum registro na Grande Midia, quando o universitário Marcelo Ximenes perguntou ao tucano sobre a apreensão de helicóptero com quase meia tonelada de cocaína.

Conforme blogs alternativos, o candidato do PSDB fez uma palestra na PUC-RS, em Porto Alegre, na última segunda-feira. Tudo ia bem até um estudante fazer uma pergunta para Aécio. Em voz alta, na plateia, ele questionou o tucano sobre a apreensão do helicóptero da família Perrela, aliada de Aécio, com quase meia tonelada de cocaína em novembro passado.

“E qual foi a resposta? Aécio ignorou. Até aí, nenhuma novidade, os tucanos têm o hábito de fugir de perguntas desconfortáveis e ficar furiosos com elas (liberdade de expressão para eles é só quando concordam com o que é dito)”.

O problema é que o estudante em seguida foi expulso do auditório. Ele estava sozinho e foi retirado por dois seguranças. E qual foi a justificativa da organização do evento, que confiscou a credencial do estudante? É preciso ter “educação”, disseram.
Quer dizer, então, que fazer uma pergunta é falta de educação? Para os tucanos, parece que é.

Imagina se isso tivesse ocorrido num evento com algum petista, no lugar de Aécio? Seria reportagem de primeira página, denunciando censura e autoritarismo. Mas como foi com Aécio, tudo bem…

O site de notícias G1 ouviu o estudante, Marcelo Ximenes. Ele afirmou que queria questionar Aécio sobre a apreensão do helicóptero em nome da empresa de propriedade do deputado estadual Gustavo Perrella (SDD-MG), filho do senador Zezé Perrella (PDT-MG), aliados de Aécio.

“Quase me agrediram, foi isso o que aconteceu”, disse ao G1. “Eu gritei alto [a pergunta], já que não tinha microfone. Se eu colocasse uma pergunta como essa no papel, ninguém ia ler. Esse não é um espaço democrático, como todo espaço da direita. Que democracia é essa que não se pode fazer uma pergunta?”, perguntou.

Notícias relacionadas