menu

Brasil

09/09/2015


Ministro da Justiça afirma que movimento pró-golpe é antidemocrático

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, chamou de "antidemocrático" o movimento encabeçado por líderes da oposição na Câmara em prol do impeachment da presidente Dilma Rousseff.

"É triste verificar que pessoas ainda não têm a percepção que democracia no Brasil veio para ficar", comentou Cardozo nesta quarta-feira 9. Para o ministro, trata-se de uma "tentativa de induzir a um processo que não tem base jurídica".

"Impeachment não é uma discussão de conveniência das pessoas. É um processo jurídico-político que exige base para ser feito. Se algumas pessoas não concordam com o resultado eleitoral, que expressem suas opiniões. Agora, tentar induzir a um processo que não tem a menor base jurídica, não me parece aceitável. Cada um deve saber que a democracia se constrói na urna e respeitar resultados eleitorais é da democracia", afirmou o ministro.

A frente é formada por deputados do PSDB, DEM, PPS, Solidariedade, PSC e até PMDB e foi articulada principalmente pelos líderes Carlos Sampaio (PSDB), Mendonça Filho (DEM), Rubens Bueno (PPS) e Paulo Pereira da Silva (SD), que ontem se tornou réu no STF.

De acordo com a coluna Painel, da Folha de S. Paulo, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) avalizou o grupo, assim como o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), autorizando os deputados a colher assinaturas pelo impeachment. O tucano, no entanto, decidiu não tomar a frente do movimento.

O movimento vem sendo amparado pelo pedido apresentado pelo advogado Hélio Bicudo. Há, porém, a análise em curso de todos os requerimentos de impeachment protocolados na Câmara para decidir qual será formalmente vinculado ao movimento.

Nesta quinta-feira 10, os deputados lançarão uma petição eletrônica para colher assinaturas em defesa do afastamento de Dilma. O plano, com as assinaturas em mãos, é pressionar Cunha para que ele se posicione sobre algum dos pedidos já apresentados.

Notícias relacionadas