menu

Política

01/02/2016


“Moita” operava para quadrilha da merenda escolar no governo de São Paulo

Luiz Roberto dos Santos, o “Moita”, então braço-direito do secretário-chefe da Casa Civil do governo tucano de Geraldo Alckmin, Edson Aparecido, operava para a quadrilha da merenda escolar de sua sala no Palácio dos Bandeirantes.

O relatório policial da Operação Alba Branca revela que “Moita” caiu no grampo várias vezes dizendo a interlocutores “tô no Palácio”. Nas conversas, ele trata com integrantes da organização sob suspeita de fraudar licitações e superfaturar produtos agrícolas e suco de laranja destinados à merenda em pelo menos 22 prefeituras.

O presidente da Coaf (Cooperativa Orgânica Agrícola Familiar), Cássio Chebabi, delatou à polícia e ao Ministério Público que as propinas pagas eram equivalentes a 10% sobre o valor dos contratos. Acusa o presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, Fernando Capez (PSDB), e o secretário estadual de Logística e de Transportes, Duarte Nogueira, de se beneficiarem do esquema.

Segundo o secretário da Casa Civil, Edson Aparecido, a indicação de “Moita” para o cargo foi “do partido”. “O PSDB precisa se posicionar. Da nossa parte, o que tinha que ser feito do ponto de vista da responsabilidade jurídica nós fizemos e o caso está na Corregedoria”, disse.

No fim de semana, Alckmin disse que "Lula é a cara do PT, sem ética, sem limites", mas não falou do esquema de desvios da merenda, em seu próprio governo.

Notícias relacionadas