menu

Brasil

02/12/2014


Monteiro destaca papel da indústria e diz que competitividade é desafio

O ministro indicado do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Monteiro Neto, declarou nesta segunda-feira (1) que a promoção da competitividade na economia é o "desafio central" para avançar em uma "economia mundial cada vez mais integrada" e avaliou que a indústria tem um papel decisivo no crescimento do país.
"O desafio central é promover a competitividade. O que signica reduzir custos sistêmicos e elevar a produtividade. A agenda da competitividade envolve várias áreas dentro do governo e demanda intensa articulação e coordenação. É papel primordial do Ministério do Desenvolvimento realizar essa tarefa. E colocar o tema da competitividade no centro da agenda política do país", acrescentou ele.
De acordo com o ministro, "crescer pela indústria é sempre o melhor caminho". "Com criação de emprego, disseminação de conhecimento e geração de divisas. A revalorização do papel da industrial está sendo reconhecido em todo mundo, com definição de políticas industriais até mesmo em economias maduras", acrescentou ele, que já foi presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) – entidade de representação do empresariado – no passado.
Monteiro Neto observou que, mesmo diante de "adversidades e turbulências", a economia foi capaz de manter baixa taxa de desemprego, garantindo crescimento da renda e do consumo no Brasil. "Mas nosso país ainda apresenta elevados custos, com sistema tributário complexo que onera investimentos e exportações", afirmou, citando ainda deficiências na capacitação de "capital humano", de infraestrutura e "excesso de procedimentos burocráticos".
Segundo ele, a melhora da competitividade na economia brasileira está em consonância com os objetivos gerais da política econômica anunciadas pelo ministro indicado da Fazenda, Joaquim Levy, e do Planejamento, Nelson Barbosa.
"O reequilíbrio macroeconômico é condição fundamental para fortalecimento da confiança e da retomada de um crescimento mais vigoroso", disse, acrescentando que isso permitirá aumento dos salários, fortalecimento das demandas doméstica e social.
Monteiro Neto defendeu ainda novos acordos comerciais, em um momento de fraco desempenho da balança comercial. Em novembro, foi registrado o pior resultado para o mês dos últimos 20 anos. "Precisamos envidar esforços para concluir o acordo entre o Mercosul e União Europeia, que está avançado. Podemos promover um acordo com os países da América do Sul que integram a aliança do pacífico, como o Chile, Colômbia", declarou.
 

 

(Do G1)

Notícias relacionadas