menu

Alagoas

06/03/2017


Movimentos organizam ato contra aumento de passagem em Maceió

Apesar de o prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), ter sancionado o valor da tarifa do trasporte público em R$ 3,50 – valor que entrou em vigor já nessa Quarta-feira de Cinzas -, os movimentos estudantis já se mobilizam nas redes sociais com a campanha denominada "#RevogaRui", com o objetivo de "derrubar" o reajuste da passagem. E para tentar convencer o chefe do Executivo de que o valor não é razoável, os estudantes vão realizar, na manhã da próxima segunda-feira (6), no terminal rodoviário do Benedito Bentes, um ato contra a decisão do Conselho Municipal do Transporte.

De acordo com Hammel Filipe, um dos organizadores da manifestação, o reajuste da passagem de ônibus ocorreu sem a devida discussão com a sociedade. Para Filipe, "algo que mexe diretamente com a vida de milhares de maceioenses deveria ter sido tratado de forma ampla e plural, de modo que a sociedade civil organizada tivesse representação no Conselho Municipal de Transporte e Trânsito".

"O reajuste para R$ 3,50 pegou a todos de surpresa, e o pior de tudo é a ausência de diálogo com a parte mais importante do processo: o cidadão. Vamos realizar este ato mostrando que não dá mais para esta conta recair sobre o trabalhador. Já fomos vítimas da PEC [Proposta de Emenda à Constituição] do 'fim do mundo' [que limita os gastos públicos pelos próximos 20 anos], da Reforma da Previdência, entre tantas outras propostas polêmicas já aprovadas no Congresso. Vamos reagir", colocou Felipe.

Por meio das redes sociais, os usuários reclamam um serviço com melhor qualidade. Eles relatam, por exemplo, que muitos ônibus ainda em uso não têm condições de circular. "Acreditamos, sim, que o prefeito pode rever sua posição e derrubar este reajuste. Não é possível que se feche os olhos para a realidade que o maceioense enfrenta. Hoje, o que temos é um transporte público sem qualidade e que não atende, adequadamente, à necessidade do usuário", expressou Hammel Filipe.

A Prefeitura, por sua vez, argumenta que a nova tarifa também é consequência de investimentos no setor, a exemplo da implantação da faixa exclusiva para ônibus, além da reforma de terminais, instalação e recuperação de pontos, destacando, ainda, os aplicativos para acompanhamento em tempo real dos ônibus coletivos, assim como a aquisição de 95 novos veículos pelas empresas concessionárias.

OUTRAS CAPITAIS

Este ano, outras capitais também sofreram reajustes na tarifa de ônibus. Em Belo Horizonte (MG), saltou de R$ 3,70 para R$ 4,05. Já em Brasília (DF), a passagem de ônibus passou a custar R$ 3,50. Na capital paulista, a prefeitura congelou os atuais R$ 3,80, mas o sistema de integração entre os ônibus e transporte sobre trilhos saiu de R$ 5,92 para R$ 6,80, um aumento de 14,8%. Em Curitiba (PR), por sua vez, a passagem passou a ser de R$ 4,25.

Na região Nordeste, os valores foram reajustados. Em Recife (PE), passou de R$ 2,80 (anel A) para R$ 3,20, e de R$ 3,85 para R$ 4,40 (anel B). Já em Salvador (BA), a tarifa passou de R$ 3,30 para R$ 3,60. Nas demais capitais nordestinas – com a exceção de Maceió -, o reajuste tarifário ainda está em discussão.

Notícias relacionadas