menu

Paraíba

20/10/2014


MP responde ao Fórum e abre investigação para apurar “propinoduto”

O Ministério Público da Paraíba (MPPB) abrirá investigação, por meio da Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade Administrativa (Ccrimp), para apurar o suposto esquema de pagamento de propina, flagrado pela Polícia Civil, em 2011, que envolve o irmão do governador do Estado e três auxiliares do Governo. A determinação foi do procurador-geral de Justiça, Bertrand Asfora. Ele, inclusive, determinou que fosse apurado a suposta protocolização da denúncia ao MPPB naquele ano.


O MPPB, por meio da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), informou na tarde desta segunda-feira (20), que encaminhou ao Fórum de Servidores Públicos Civis e Militares do Estado da Paraíba as certidões com as informações solicitadas acerca da existência ou não na instituição de procedimento relacionado ao caso das denúncias de apreensão de dinheiro, no ano de 2011.


As certidões enviadas ao Fórum de Servidores são dos seguintes órgãos do MPPB: Procuradoria Geral de Justiça (PGJ), Comissão de Combate aos Crimes de Responsabilidade Administrativa (Ccrimp), Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco), Promotorias de Justiça do Patrimônio Público da Capital, Núcleo de Apoio às Promotorias criminais (NAAPC) e Núcleo de Controle Externo da Atividade Policial (Ncap).


“Foi feito um levantamento minucioso nos setores competentes do Ministério Público, inclusive naqueles não informatizados, pelos responsáveis legais de cada órgão”, informa o procurador-geral de Justiça, Bertrand de Araújo Asfora, ressaltando: “Estamos dando a resposta à solicitação do Fórum de Servidores dentro do prazo que estipula a Lei de Acesso à Informação”.


Em atenção ao pedido de informação do Fórum de Servidores, de 25 de setembro, o procurador-geral Bertrand Asfora determinou à Ccrimp instaurar o processo para apurar os fatos relatados pelos denunciantes. Como no MPPB não há um protocolo único, todos os setores competentes foram consultados para que emitissem as certidões.

(Da WSCOM)

Notícias relacionadas