menu

Nordeste

05/09/2019


Nordeste: recuperação é lenta na região que lidera rejeição a Bolsonaro

Mapa mostra Estados onde Jair Bolsonaro e Fernando Haddad tiveram mais votos nas eleições de 2018

Jair Bolsonaro foi eleito presidente em outubro do ano passado com vitória em 16 unidades da Federação. Não alcançou a liderança, no entanto, em nenhum dos 9 Estados do Nordeste.

Seu oponente, Fernando Haddad (PT), teve 69,7% dos votos válidos na região. Foi a única em que o militar saiu derrotado.

Passados 8 meses de governo, o presidente mantém uma relação ainda afastada da região, coleciona atritos com governadores e enfrenta consistente rejeição.

Em julho, Bolsonaro foi fortemente criticado após se referir aos nordestinos como “paraíbas. De lá pra cá, sua taxa de reprovação disparou na região. Segundo pesquisa Datafolha divulgada nesta semana, 52% dos moradores do Nordeste consideram seu governo ruim ou péssimo. Na pesquisa anterior, de julho, eram 41%.

A pauta econômica é de grande interesse da região. Com deficiências estruturais e maior dependência de programas de transferência de renda, o Nordeste enfrenta uma série de dificuldades para engatar ritmo de crescimento.

Nesta 5ª feira (5.set.2019), o ministro Paulo Guedes (Economia) tem sua 1ª agenda pública na região desde que assumiu o posto. Falará no seminário “A Nova Economia do Brasil – o impacto para a região Nordeste”, realizado pelo Poder360 em parceria com o Sistema Jangadeiro. Saiba mais aqui.

Segundo dados do IBGE, a região tinha, no 2º trimestre deste ano, 3,64 milhões de pessoas sem emprego. O número corresponde a 28,5% do total de desempregados no país.

A taxa de desocupação regional era de 14,6%, a mais alta do país. A média geral no mesmo período foi de 12%. Eis a divisão:

  • Nordeste: 14,6%;
  • Sudeste: 12,4%;
  • Norte: 11,8%;
  • Centro-Oeste: 10,3%;
  • Sul: 8%.

Além disso, o Nordeste contava com mais de 11 milhões de pessoas trabalhando na informalidade, ou seja, por conta própria ou sem carteira assinada. O número representa mais de 50% das 21,28 milhões de pessoas ocupadas no período.

Estimativa da Tendências Consultoria mostra também que a região cresce em ritmo ainda mais lento que o restante do país. Em 2018, estima-se que o PIB (Produto Interno Bruto) nordestino tenha crescido 0,6%, contra uma alta nacional de 1,1%.

De acordo com o último dado disponível pelo IBGE, de 2016, o PIB do Nordeste representa 14,3% do nacional. Mais do que o Norte (5,4%) ou o Centro-Oeste (10,1%).


Poder 360

Notícias relacionadas