menu

Política

02/04/2015


Nova geração de políticos do NE busca construir movimento suprapartidário

O Movimento “União Pelo Nordeste – a gente tem sede de soluções”, é uma frente supra partidária iniciada pelos deputados estaduais de Pernambuco Rodrigo Novaes (PSD) e Miguel Coelho (PSB) no dia 16 de março. A frente hoje já conta com a adesão dos deputados pernambucanos Claudiano Filho (PSDB) e Odacy Amorim (PT), dos alagoanos Ronaldo Medeiros (PT), Isnaldo Bulhões (PDT), Galba Novaes (PRB) e Francisco Tenório (PMN) e do paraibano, Bruno Cunha Lima (PSDB). O deputado federal Wilson Filho (PMDB) também garante ser mais uma adesão.

Capitaneado pelos deputados pernambucanos Rodrigo Novaes e Miguel Couto, o movimento têm visitando os estados da região (já estiveram na Bahia e em Alagoas) em busca de adesões e na busca de soluções de convívio com a maior estiagem das últimas décadas. O grupo visitará as assembleias legislativas de cada estado, onde serão realizadas discussões sobre a seca e a crise hídrica.


Intitulado União pelo Nordeste, o movimento surgiu durante a audiência pública que debateu, no dia 16 de março, os efeitos da estiagem em Pernambuco. “A situação de nossa região é crítica e percebemos a necessidade de unir os parlamentares sem qualquer distinção partidária em torno de uma causa que é de todos os nordestinos”, explica Miguel.


Os parlamentares estiveram em Salvador no dia 26 de março, para conversar com a bancada baiana e o grupo recebeu o apoio de diversos parlamentares. Na ocasião foi apresentado um raio-x da seca que afeta os pernambucanos nos últimos quatro anos.


O grupo pediu o engajamento da bancada baiana a uma marcha contra a seca que será realizada em Brasília no mês de junho. Além disso, os deputados coletaram informações sobre os efeitos da seca na Bahia para se construir uma pauta comum de reivindicações e prioridades de todos estados nordestinos.


“O apoio foi unânime de todos que procuramos aqui na Bahia. Isso mostra que nossa causa é uma prioridade para todos os nordestinos”, comemorou o deputado Rodrigo Novaes. “Saímos daqui com a convicção de que nosso movimento agora tem uma força maior para cobrar soluções mais efetivas. Vamos mobilizar outros estados e buscar a participação de novas forças políticas para encorpar ainda mais esse manifesto”, acrescentou Miguel Coelho.


Para o deputado baiano Vítor Bonfim (PDT) a união dos estados facilitará a sensibilização do Governo e a maior participação da sociedade no movimento.
Ontem, dia 01 de abril, estiveram em Alagoas e foram recebidos pela Assembléia Legislativa e pelo governador Renan Filho (PMDB). Com Renan, deputados de Alagoas, Pernambuco e Paraíba receberam apoio do governador. “Eu me coloquei à disposição, como também a agenda dos governadores do Nordeste. Precisamos definir uma pauta que verdadeiramente possibilite levar ao Semiárido o desenvolvimento que as pessoas esperam”, afirmou Renan Filho.

Ao longo do encontro, o governador apresentou as principais obras hídricas estruturantes para o Estado e também as emergenciais. Esse quadro fará parte do estudo a ser concluído pelo comitê em junho. Ao longo deste mês de abril, os deputados devem visitar outros estados nordestinos.

No dia 9 de abril o movimento visitará a Assembleia Legislativa da Paraíba. No estado. Além do deputado estadual Bruno Cunha Lima, o deputado federal Wilson Filho (PMDB) já se mostrou simpático ao grupo e deve ser agregado. A expectativa é que até o fim de maio a bancada discuta o tema nos nove estados da região.
A ideia é que a mobilização envolva parlamentares das bancadas federais, governadores, prefeitos e vereadores. “O objetivo é mostrar a força política e evitar ações meramente paliativas”, disse Novaes.


De acordo com o Departamento Nacional de Obras Contra a Seca, grande parte do Nordeste, em especial o semiárido, já é atingido pela estiagem há quatro anos ininterruptos. Pernambuco é, segundo o Dnocs, o estado que mais sofre com a falta de chuvas. Ao fim das visitas, uma caravana de parlamentares nordestinos será mobilizada para uma marcha contra a seca em Brasília.


Paulo Dantas com Assessorias

Notícias relacionadas