menu

Brasil

12/12/2016


“Nunca usei”, diz Jacques Wagner sobre relógio dado pela Odebrecht

O ex-ministro da Casa Civil Jaques Wagner (PT) confirmou nesta segunda-feira (12) em entrevista à rádio "Metrópole" que ganhou um relógio de presente da Odebrecht em seu aniversário quando era governador da Bahia.

O presente foi citado na proposta de delação premiada de Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht.

Na delação, o executivo afirmou que Wagner, que era chamado pelo codinome "Polo", tomou decisões em favor da Odebrecht em seu governo como contrapartida para doações da empresa para campanhas petistas na Bahia.

O petista classificou como "cretinice" o fato de Claudio Melo Filho citar o relógio dado de presente em sua proposta de delação premiada. O valor estimado do relógio é US$ 20 mil.

"Eu achei uma cretinice dele. Se eu fiz meu aniversario ele me deu de presente uma garrafa de vinho, uma gravata, um relógio ou uma cesta de natal, eu não vou ficar perguntando ao cara quanto custou", afirmou.

Wagner ainda disse não ter usado o presente dados pelos empresários: "Para dizer a verdade, eu guardei e nunca usei, eu uso outro tipo de relógio".

E afirmou que o presente recebido foi pessoal e "não tem nada a ver" com a vida política dele.

"Se era para me comprar, deram com os burros n'água", disse Wagner, destacando situações que agiu contra os interesses da Odebrecht enquanto foi governador.

Ele citou a renegociação do contrato para construção de um emissário submarino, firmado pela Odebrecht com o governo no fim da gestão Paulo Souto (DEM) em 2006, que ele renegociou reduzindo o valor em 15%.

Também falou sobre a licitação para a construção do metrô de Salvador, que a Odebrecht acabou não participando por achar pouco atrativo o formato e os valores previstos na parceria público-privada.

SEM CONTRAPARTIDA

Jaques Wagner afirmou ainda que agiu de acordo com os interesses da Bahia ao adotar medidas como a redução da alíquota do ICMS da nafta, que beneficiou diretamente a Braskem, braço petroquímico da Odebrecht.

"Fiz um programa reduzindo o ICMS que garantiu que novas empresas viessem para cá. O resultado é que o Polo [de Camaçari] se revigorou", afirmou.

O petista também negou que as doações de recursos campanha feitas pela Odebrecht seriam uma contrapartida a medidas adotadas pelo governo.

"Evidentemente, a Braskem se beneficiou [da redução do ICMS]. Se por conta disso lá, depois, eles resolveram dar uma ajuda de campanha, isso é problema deles", afirmou.

Wagner ainda disse que "não era bem visto" pela Odebrecht. E afirmou que, antes da campanha de 2006, foi procurado por Emílio e Marcelo Odebrecht para que retirasse sua candidatura ao governo da Bahia.

"Estou à vontade porque, em oito anos de governo, tive uma relação transparente com todos os empresários", disse.

Folha

Notícias relacionadas