menu

Brasil

15/01/2016


O Nordeste na série A: Após Sport, Santa Cruz e Vitória garantem acesso

Exclusivo NORDESTE

Por Luan Matias

O futebol nordestino terá três representantes na Série A do Campeonato Brasileiro em 2016. Após uma temporada onde apenas o Sport Recife figurou na elite do futebol nacional, Santa Cruz/PE e Vitória/BA garantiram seus acessos na penúltima rodada da Série B deste ano. O clube pernambucano foi o vice-campeão, enquanto o baiano foi o terceiro colocado – além deles, o campeão Botafogo/RJ e o quarto colocado América/MG subiram de divisão.


Cada um dos acessos carrega uma história de superação e volta por cima. O do Santa Cruz certamente é mais marcante – não há nada parecido na história do futebol nacional. O tricolor pernambucano, que disputou a Série A em 2006, passou por rebaixamentos consecutivos e chegou ao fundo do poço, tendo iniciado a temporada 2010 sem vaga assegurada na Série D, última divisão do futebol nacional. Em nove anos, a cobra coral passou por todas as divisões do futebol nacional e teve no apoio massivo da torcida sua principal força durante esse período. “A certeza de que todos os passos da caminhada que começava seriam dados lado a lado com ‘a torcida mais apaixonada do Brasil’ era o que justificava a ousadia de nossas metas”, disse o presidente do clube, Alírio Moraes, em nota divulgada logo após o acesso.


Já a história do acesso do Vitória é diferente. O clube foi rebaixado da Série A em 2014, após ter sido quinto colocado no brasileirão de 2013 e por pouco não ter se classificado para a Taça Libertadores da América. Diferente do Santa Cruz, o rubro negro baiano só esteve na Série C apenas uma vez, no ano de 2006. Desde então o clube tem transitado entre as Séries A e B. Após um primeiro semestre difícil, quando foi eliminado precocemente no Campeonato Baiano, Copa do Nordeste e Copa do Brasil e viu o seu presidente renunciar o cargo, o Leão se reestruturou ainda dentro da temporada e conseguiu um acesso inesperado. “A gente teve, junto com os atletas e todo mundo, a capacidade de se reinventar no campeonato. Então, eu tenho que dizer muito obrigado a todos aqueles que permitiram que a gente pudesse mudar o panorama”, disse o técnico Vagner Mancini.


Diante das dificuldades financeiras impostas aos times fora do eixo RJ/SP/MG/RS, tema tratado na edição 108 da NORDESTE, manter-se na Série A se torna um desafio para os clubes da região. Desde que o campeonato adotou o sistema de pontos corridos, em 2003, clubes como Ceará, Fortaleza, América-RN, Náutico e Bahia passaram em algum momento pela primeira divisão, mas acabaram sendo rebaixados para divisões inferiores. “Não sou de me conformar com pouco, logicamente quando percebo que há condições para ir além. Vamos buscar um desempenho de time grande na Série A”, declarou o presidente do Santa Cruz, que nesse momento negocia cotas de televisão com a Rede Globo, principal detentora dos direitos de transmissão do futebol brasileiro; recentemente Moraes pediu ajuda ao Governo do Estado para a construção do CT do clube.


Hoje o Vitória, ao lado de Bahia e Sport, está entre os clubes nordestinos que recebem maior cota da televisão: serão R$ 35 milhões a partir de 2016. O valor é bem distante dos repassados aos clubes do primeiro bloco, que receberão R$ 170 milhões. O Santa Cruz ainda não tem valor certo, mas em um cenário otimista o tricolor receberia R$20 milhões.


Diante de um cenário de desigualdade, que de certa maneira reflete uma realidade além do esporte, os nordestinos precisarão buscar alternativas para poderem disputar o principal campeonato nacional com competitividade. O Sport já começa a colher frutos de um trabalho profissional em sua gestão; o Vitória é uma das referências nacionais em categorias de base e tem o desafio de levar essa força aos profissionais; o Santa Cruz já começa a buscar investimentos para fortalecer sua estrutura. É a capacidade de adaptação e luta do povo nordestino também no futebol. 

Notícias relacionadas