menu

Rio Grande do Norte

18/03/2016


Oposição em Natal ainda não mostrou candidato competitivo contra o prefeito

Exclusivo Nordeste

Matéria da 111ª edição da Revista NORDESTE, que pode ser conferida na íntegra aqui: LINK

Disputa começa a tomar forma em Natal

Candidatos pela Prefeitura de Natal não ameaçam mandato do atual prefeito até o momento. Carlos Eduardo Alves lidera pleito com margem folgada, segundo última pesquisa  

O prefeito de Natal, Carlos Eduardo Alves (PDT), parece ainda não ter encontrado um adversário que ameace sua reeleição na disputa eleitoral que irá acontecer no mês de outubro deste ano. Evidente que a essa altura, os principais partidos do estado já apresentaram nomes que provavelmente irão concorrer na disputa, mas até o momento nenhum parece abalar o prefeito.

Alves tem ao seu lado dois aliados importantes. O PMDB e os Democratas. O primeiro deve indicar o vice-candidato e o secretário de Turismo de Natal, Fred Queiroz, já se colocou a disposição. Vale lembrar que o vice provavelmente deve assumir à Prefeitura no caso de Carlos Eduardo Alves deixar o mandado para concorrer ao Governo em 2018. Os Democratas tem uma aliança com o PMDB no âmbito estadual, mas ainda não definiram de fato sua posição em relação a Natal e o partido pode acabar optando por apoiar o PSDB.

O governador do estado do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), adversário político do prefeito, deve apoiar o candidato do PT. O deputado estadual Fernando Mineiro (PT) é o provável candidato. Seu nome já foi lançado como pré-candidato em 2015 e isso pode ter prejudicado um pouco a pretensão do petista. Defensor ferrenho do governo de Dilma Rousseff (PT), Mineiro não perde a oportunidade de advogar a favor da presidenta em meio a várias acusações e críticas dos partidos de oposição. Mas isso não fez bem para a sua imagem. Nos últimos meses, a imagem do PT ficou manchada nacionalmente, a popularidade baixa da presidente Dilma tem surtido efeito negativo para os dirigentes petistas em todo o país. Desta forma, é possível que o PT e o grupo do governador tenham uma campanha difícil pela frente com Fernando Mineiro como candidato.

O PSDB também já garantiu que terá um candidato próprio e o deputado federal Rogério Marinho, que concorreu à Prefeitura de Natal em 2012, deve ser novamente o nome dos tucanos no jogo. Marinho ficou em quarto na última vez, mas agora conta com a descrença da população em relação ao PT como um ponto para ele. “Rogério Marinho foi o deputado federal mais votado aqui em Natal, em mais de uma eleição. Já foi candidato a prefeito, é um quadro político da melhor qualidade. Ele poderá disputar a eleição como candidato e vem sustentando com muito vigor nossa bandeira no Estado”, disse o senador Aloysio Nunes, maior liderança tucana no Rio Grande do Norte.

O vereador Luiz Almir (PV) é outro que pode entrar na disputa, mas ainda não se decidiu. O parlamentar deve mudar de partido, ingressando no PR assim que abrir as janelas partidárias. Segundo o próprio, o PR lhe ofereceu a presidência do diretório de Natal e a prerrogativa de decidir o que fazer nas eleições. Almir afirma que irá se candidatar apenas se o povo quiser isso. “Eu sinto a manifestação. Enquanto Robinson está procurando candidato para disputar contra Carlos, o povo me chama e isso é gratificante, isso deixa a gente com essa opção. Se o partido estiver forte, as coligações estiverem fortes, eu acho que Carlos Eduardo tem um concorrente”.

Amanda Gurgel (PSTU), vereadora mais votada de Natal em 2012, pode ser um nome a surpreender. Com um discurso mais próximo do povo e trabalhando na Câmara, Amanda parece conquistar a simpatia de parte do eleitorado, saindo-se bem em pesquisas preliminares, considerando que ela está em um partido de pouca expressão. Ela ainda não decidiu se irá concorrer como prefeita, ou tentará a reeleição na Câmara Municipal, mas considera a primeira opção. “Estou mais preparada do que outros nomes que sequer conhecem a realidade da população”, colocou.
Quinto colocado em 2012, Robério Paulino (PSOL) confirmou que será candidato este ano. Em 2014, o político também tentou o Governo do Estado e o resultado razoável (8,74% dos votos válidos) convenceu o partido de que Robério tem chances de chegar ao segundo turno na capital.

Notícias relacionadas