menu

Brasil

28/09/2014


Orquestra Sinfônica Brasileira garante apoio de R$ 21 milhões do BNDES

A Fundação Orquestra Sinfônica Brasileira (FOSB) conquistou apoio financeiro no valor de R$ 21 milhões do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para aplicar em projetos de manutenção, desenvolvimento sustentável e equilíbrio orçamentário da orquestra no período 2014/2016. O presidente da Agência de Negócios e Relações Institucionais da Fundação OSB, Ricardo Levisky, disse à Agência Brasil que o apoio é fundamental para o desenvolvimento da instituição. “O BNDES vem fazendo um trabalho em conjunto com a Fundação OSB nos últimos anos, no foco da sustentabilidade de longo prazo da instituição”. O objetivo principal, segundo ele, é a excelência da qualidade artística e de gestão.

Ricardo Levisky destacou a qualidade artística entre as prioridades para o uso dos recursos do BNDES, com “músicos sendo bem remunerados, qualidade dos instrumentos musicais, qualidade dos solistas e dos maestros convidados”. Outro ponto-chave diz respeito à gestão e governança da instituição, com a reestruturação dos departamentos financeiro e de relações internacionais da FOSB para níveis similares aos de grandes orquestras estrangeiras.

O anúncio foi feito sexta-feira (26) pelo banco. Segundo informou a assessoria de imprensa do BNDES, metade dos recursos são não reembolsáveis, constituídos de parte do lucro da instituição. Os restantes 50% serão investidos por meio de incentivos da Lei Rouanet.

Segundo o banco, serão criados dois fundos de captação de recursos, um fundo patrimonial e um fundo de reserva, inéditos em instituições culturais no Brasil. O BNDES informou que a meta é assegurar que os recursos da instituição não sofram problemas de descontinuidade e que ela dependa menos de ciclos anuais de captação.

Levisky salientou também a criação de fundos de reserva, que considera essenciais para garantir o futuro da Orquestra Sinfônica Brasileira. Ele informou, ainda, que a liberação dos recursos para a FOSB será dividida em três parcelas, sendo R$ 8 milhões ainda em 2014, R$ 7 milhões no ano que vem e R$ 6 milhões, em 2016.

O BNDES contribui para o fortalecimento da Orquestra Sinfônica Brasileira desde 2009, tendo já destinado à instituição cerca de R$ 32 milhões. O apoio do banco à FOSB no período 2014/2016 inclui a reestruturação do trabalho artístico da fundação por meio da fusão das orquestras OSB Ópera e Repertório e Orquestra Sinfônica Brasileira, de modo a ampliar o quadro da OSB de 62 para 97 profissionais.

Notícias relacionadas