menu

Brasil

29/05/2015


País economiza R$ 13,4 bilhões em abril para pagamento de dívida pública

O governo conseguiu economizar para pagar os juros da dívida pública, em abril. De acordo com dados do Banco Central (BC), divulgados hoje (29), o setor público consolidado – governos federal, estaduais e municipais e empresas estatais – apresentou superávit primário de R$ 13,445 bilhões, no mês passado.

Em abril do ano passado, o superávit primário foi maior: R$ 16,896 bilhões. Nos quatro primeiros meses de 2015, o superávit primário chegou a R$ 32,448 bilhões, contra R$ 42,527 bilhões em igual período do ano passado.

Em 12 meses encerrados em abril, o déficit primário do setor público ficou em R$ 42,615 bilhões.

O superávit primário, economia de recursos para pagar os juros da dívida pública, ajuda a conter o endividamento do governo, em médio e longo prazos. Para este ano, a meta de superávit primário para o setor público corresponde a R$ 66,3 bilhões ou 1,1% do Produto Interno Bruto (PIB).

No mês passado, o Governo Central (Tesouro, Banco Central e Previdência) registrou superávit primário de R$ 10,638 bilhões. Os governos estaduais registraram superávit de R$ 2,270 bilhões e os municipais, R$ 329 milhões. Já as empresas estatais, excluídos os grupos Petrobras e Eletrobras, registraram superávit primário de R$ 208 milhões.

Em quatro meses, o Governo Central registrou superávit primário de R$ 15,524 bilhões, os estaduais, R$ 14,505 bilhões e os municipais, R$ 2,692 bilhões.

Os gastos com os juros que incidem sobre a dívida chegaram a R$ 2,213 bilhões, em abril, e acumularam R$ 146,060 bilhões, nos quatro meses do ano.

Em abril, houve superávit nominal, formado pelo resultado primário e as despesas com juros, de R$ 11,232 bilhões. De janeiro a abril, o setor público registra déficit nominal de R$ 113,613 bilhões.

A dívida líquida do setor público chegou a R$ 1,897 trilhão em abril, o que corresponde a 33,8% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. Em relação a março, a dívida em proporção do PIB subiu 0,7 ponto percentual. A dívida bruta chegou a R$ 3,468 trilhões ou 61,7 % do PIB, com redução de 0,6 de ponto percentual em relação a março.

Agência Brasil 

Notícias relacionadas