menu

Brasil

19/04/2015


Para FHC, pedido de impeachment de Dilma não pode se basear em”tese”

A manobra contábil permitia melhorar as contas do governo com o uso de bancos públicos. Segundo o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), esse artifício não estaria ocorrendo apenas no governo da presidente, mas há mais de uma decada, o que poderia chegar ao governo de FHC.

 

"A Lei de Responsabilidade Fiscal é de 2001. Então, tudo que foi feito há 10, 12 anos, foi depois da lei e depois do meu governo. Eu não posso responder porque não sei como era a mecânica do dia a dia, mas duvido que tenha havido alguma coisa dessa magnitude. E, se foi feito, foi errado. Um erro não justifica o outro", disse em entrevista coletiva.

 

Ao iG, FHC afirmou ter a intenção de pedir informações a seus subordinados à época em que era presidente para saber se as tais "pedaladas fiscais" foram dadas: "Vocês é que devem pedir [a imprensa]. Acho improvável isso. E já passou tanto tempo que é tudo prescrito".

 

Impeachment além da tese – O PSDB, que tem FHC como presidente de honra, receberá nesta semana alguns pareceres sobre a possibilidade de pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. Mas o tucano é contrário ao movimento.

Notícias relacionadas