menu

Brasil

29/04/2015


Para Lula, PL da terceirização é retrocesso pré-Getúlio Vargas

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse, na noite desta terça-feira (28), que a aprovação do Projeto de Lei 4330, que regulamenta a terceirização no Brasil, pode representar um retrocesso ao período anterior ao governo Getúlio Vargas no País.

Leia mais:
Lula pede que Dilma intervenha para evitar aprovação do PL da terceirização

"Voltamos a 1930, quando a FIESP [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo] achava que o trabalhador devia ter dez dias de férias. Se desse mais tempo [era porque] ele bebia, brigava", lembrou, enfatizando que os trabalhadores daquele período eram "oprimidos". "Os empresários querem acabar com a justiça do trabalho. Acham que tem que rasgar a CLT […] Não é porque a lei é de 1946 que tem de jogar fora."

O discurso do ex-presidente ocorreu na abertura de um seminário promovido pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, que relembra os 35 anos da greve da categoria ocorrida em 1980, quando foi liderada pelo próprio Lula.

Sem modéstia, o petista enviou recado à Procuradoria-Geral da República, dizendo ter sempre privilegiado a escolha a partir da lista tríplice indicada pela categoria. "Era muito mais fácil indicar um amigo. Mas eu não queria um procurador pra mim".

Num afago ao Sindicato dos Metalúrgicos, Lula disse que a greve encabeçada pela categoria na Scania foi um marco para a democracia do País: "Foi o primeiro acordo coletivo que eu fiz e que aprovamos, na porta da fábrica".

Pressionada pelas concorrentes, a Scania recuou do acordo e "nós ficamos 15 dias sendo chamados de traidores pela peãozada".

A greve da Ford, realizada a seguir, fez as fábricas sentarem à mesa, e um novo acordo foi consolidado. "Depois de 1978 tudo ficou mais fácil", resumiu Lula. Ele lembrou que, no ano seguinte, o objetivo era fazer uma greve geral e não parar uma fábrica de cada vez.

Na época, as empresas propuseram uma trégua. "Na assembleia, eu pedi um voto de confiança, que foi aprovado por unanimidade. No que eu virei as costas, me chamaram de traidor", lembrou Lula. "Em 1980, eu, pela graça de Deus, fui preso. Todo mundo foi preso. Essa prisão fez com que surgissem novos companheiros e a greve durou 41 dias."

Projetando o movimento sindical para os dias de hoje, Lula disse que "ficou muito mais amplo o leque" porque, além de politicamente mais preparado, o mundo do trabalho mudou devido ao número de trabalhadores ter reduzido no chão de fábrica e o campo de negociação agora incluir visita à matriz das montadoras na Europa e até idas ao Congresso Nacional.

IG

Ao final, Lula amenizou a questão do PL sobre a terceirização, afirmando: "Acho que, tranquilamente, a companheira Dilma vai vetar".

Notícias relacionadas