menu

Paraíba

16/10/2014


Paraíba tem 60% das estradas com estado geral de péssimo a regular

A maioria das estradas da Paraíba tem o estado geral variando de péssimo a regular. Segundo dados da Pesquisa CNT de Rodovias 2014, são 221 quilômetros classificados como péssimos, 244 ruins e 535 regulares, somando 60% das estradas do estado. O estado geral varia de bom a ótimo em 665 quilômetros de estradas, sendo 565 bons e 100 ótimos.

A pior característica encontrada nas estradas da Paraíba é a geometria da via. Apenas 61 quilômetros foram classificados como bons ou ótimos nesse quesito. Dos 1.665 quilômetros avaliados na pesquisa, 714 foram considerados péssimos, 176 ruins e outros 714 regulares.

O pavimento, no entanto, foi um ponto positivo encontrado pela pesquisa. Foram 816 quilômetros com o pavimento ótimo e 605 regulares. Apenas 10 quilômetros foram classificadas como péssimos nesse quesito. Em relação à sinalização, 740 quilômetros são bons ou ótimos. Outros 925 variam de péssimo a regular, sendo 496 deles regulares.

A Paraíba tem 3.524 quilômetros de estradas pavimentadas. Ao todo, são 1.257 quilômetros de rodovias federais e 2.217 de estaduais. Apenas 1.665 quilômetros foram avaliadas pela pesquisa do CNT.

A pesquisa ainda avaliou outros fatores nas estradas paraibanas. Em relação ao tipo de rodovia, o CNT constatou que 83,6% das estradas são simples de mão dupla. As pistas duplas com canteiro central são 13,3% das avaliadas.

A condição da superfície do pavimento também foi analisada e a pesquisa contatou que 53,5% está desgastado. Está perfeito 33,3%, com trinca em malha ou remendos, 12,6%, e destruído, 0,6%.

A maioria das faixas centrais está visível nas estradas da Paraíba. A pintura da faixa está desgastada em 44,1% e é inexistente em 4.3%. Em relação às faixas laterais, elas estão visíveis em 47,9% das estradas, estão desgastadas em 40,2% e são inexistentes em 11,9%.

As placas de limite de velocidade estão presentes em 68,5% das estradas. As de indicação, em 86,5%. Ainda de acordo com a pesquisa, existe mato cobrindo parcialmente 1% das placas e totalmente 6,6% delas. Estão ilegíveis 2,9% das placas e desgastadas 9,9%.

Notícias relacionadas