menu

Brasil

27/03/2014


Partidos de oposição cobram indicação de candidato para as eleições

Bahia

Em clima de aproximação do prazo final para definição do nome que irá liderar a chapa de oposições no estado, lideranças, junto aos pré-candidatos Geddel Vieira Lima (PMDB) e Paulo Souto (DEM), já estariam pressionando o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), a bater o martelo sobre o assunto. Ontem, os pré-candidatos oposicionistas prestigiaram a inauguração do Multicentro de Saúde do Vale das Pedrinhas e da Escola Municipal Artur de Sales, no bairro de Santa Cruz.

Participaram ao lado de Geddel os deputados estaduais Bruno Reis, Leur Lomanto Jr., Luciano Simões e Pedro Tavares. Apesar de não falarem sobre o processo eleitoral, a presença de Geddel e de Souto, com seus respectivos aliados, sinalizou a intensa disputa no jogo pré-eleitoral e o recado para o prefeito, de que eles não querem esperar mais por muito tempo uma definição. “Não depende de mim. Não sei como estão as discussões e nem quando o prefeito ACM Neto irá anunciar”, disse Souto ao site Bocão News.

Geddel teria seguido o mesmo roteiro do democrata. “Só Neto é que falará sobre qualquer assunto desse tipo. Paulo Souto que é meu porta-voz. Se ele não quer falar, então é isso”, brincou. Citado nos bastidores como um dos fortes aliados de Neto, o presidente estadual do DEM, deputado Paulo Azi, disse ontem que até o momento “não havia novidades”. O cenário aponta um suposto desgaste negado pelas lideranças. “O prefeito não achou o momento de anunciar a posição”, afirmou o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB).

O tucano João Gualberto minimizou as consequências do cenário de incertezas. “Uma semana a mais, outra a menos não vai trazer prejuízos para o processo, pois a população não entrou no assunto de campanha política”. Mas, pelas movimentações, o PMDB, DEM e PSDB ainda terão que exercitar a paciência. A expectativa é que o martelo seja batido no próximo domingo.

Partidos intensificam conversas

No jogo da espera por uma resposta de ACM Neto, os peemedebistas trabalham nos bastidores para agregarem apoios e um dos focos seria o PDT, que em recente reunião nacional, mostrou a insatisfação com a condução do processo pelo governador Jaques Wagner (PT). Consta que o ex-ministro Geddel Vieira Lima teria demonstrado total interesse em ter ao seu lado o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Nilo, liderança pedetista no estado que não escondeu a decepção com o governo, após ter sido preterido da vice.

Interlocutores do pré-candidato teriam entrado em campo ontem para conversar com o presidente estadual do PDT, deputado federal Félix Mendonça, um dos que resistiriam a uma suposta mudança para o lado oposicionista. Além disso, teriam participado de conversas, o líder do PDT na Assembleia, deputado Euclides Fernandes.

O deputado federal Lúcio Vieira Lima não deixou claro que os partidos estariam em negociação, mas as expectativas existem. “Nós temos interesse na aliança com o PDT, um partido que tem bons quadros e muita tradição na política brasileira. Sabemos da importância que tem o PDT e a nossa função é manifestar o desejo, mas também sabemos que é preciso respeitar o tempo do PDT”, disse. Lúcio não quis confessar a existência de conversas oficiais. “Conversar nós conversamos o tempo inteiro, mas política é a arte de conversar”, afirmou em tom bem-humorado.

Tribuna da Bahia 

Notícias relacionadas