menu

Paraíba

16/06/2016


Peça “Os Malefícios do Fumo” aborda a opressão do capital

O espetáculo “Os Malefícios do Fumo”, em cartaz no teatro Paulo Pontes, do Espaço Cultural, de 17 a 19 de junho, reune artes visuais, teatro e jazz. Originalmente a peça é um monólogo que conta a história de Ivan Ivánovitch Niukhin, solicitado por sua esposa para que ministre uma palestra sobre os malefícios do tabaco. Entretanto, o protagonista aproveita a ocasião para descarregar uma série de lamentações acerca da vida opressiva que leva. Opressão que tem a esposa como principal dominadora, embora isso também aconteça por parte de todos que estão a sua volta.

Nesta montagem da CIA Jazztual de Teatro o personagem Ivanovitch amplia o conceito de opressão para o próprio sistema e divide a cena com um misterioso palhaço que narra e auxilia o personagem na luta épica com as forças anônimas opressivas do capital. “Trata-se de um duplo do personagem, o palhaço aponta para a dimensão mítica e mágica do conhecimento humano, é a voz reprimida do inconsciente da personagem que se materializa em cena. Ela representa a função oposta a dimensão racional do mundo opressivo representado pela voz implacável de sua esposa”, conta o diretor Daniel Araújo, que além de dirigir também interpreta. A com concepção visual do espetáculo é de Tiago Trapo, música de Diego Souza (violoncelo) e Gerson Abrantes (bateria).

A parceria de Tiago Trapo, artista visual bastante conhecido da cena underground e independente de João Pessoa com os músicos (Gerson Abrantes e Diego Sousa) e o personagem (Daniel Araújo) compõem um ambiente expressionista que caracteriza a encenação. “As projeções visuais de Trapo, compostas de elementos simbólicos, desconstroem o mundo dramático objetivo do texto de Tchekov, elas se abrem para um conflito mais amplo e profundo da personagem, o mundo empírico da realidade desaparece, entra em cena um mundo transcendente, o conflito da personagem não é mais com a esposa capitalista, mas com as forças opressivas anônimas que estão por trás deste sistema.

A encenação ganha com essa mistura um caráter mais performático, cerimonial e ritualístico, ampliando consideravelmente as possibilidades de interpretação e significação do texto original de Theckov. Os sentidos do público são ampliados com a fusão das projeções, do jazz, da interpretação dentro da encenação. A montagem dos Malefícios do Fumo, do dramaturgo russo Anton Tchekov, é um processo colaborativo em constante transformação resultando agora nessa experimentação visual-músico-teatral.

Os Malefícios do Fumo é a primeira montagem da CIA Jazztual de Teatro. Trata-se de um projeto que reúne músicos e atores experientes dentro de um projeto estético sonoro-teatral menos convencional que a forma dramática tradicional. Desde a sua estreia em janeiro de 2015 na Mostra Piollin de Teatro, o espetáculo vem somando novos elementos na construção da encenação.

Histórico

A peça “Os malefícios do fumo” ou “Os Males do tabaco” foi escrita por Anton Tchekhov em 1887, tendo recebido uma segunda versão em 1904. Ficou por muito tempo desconhecida pelo grande público, talvez por se tratar de um monólogo. “Os Malefícios” constitui uma pequena obra prima da dramaturgia mundial e possui as marcas típicas da poética tchekhoviana: a brevidade, a economia de procedimentos, a linguagem despojada, irônica, o humor e o aprofundamento psicológico das personagens.


O Autor

Anton Tchekhov (1860-1904) tornou-se conhecido como dramaturgo e contista. Seus contos breves revolucionaram as formas narrativas da época e propiciaram modelos para a prosa do século XX. Escritor de sucesso desde sua estréia nas páginas de revistas satíricas e literárias no início da década de 1880, Tchekhov começou a dedicar-se à dramaturgia em 1886. Escreveu dramas (A Gaivota, O Cerejal) e comédias (Ivanov, Tio Vânia, As três irmãs), que, encenados no Teatro de Arte de Moscou sob a direção de Kostantin Stanisláviski, ensejaram ao célebre diretor teorias e métodos sobre a arte de representar. A partir das apresentações do Teatro da Arte fora da Rússia, suas peças inovadoras consagraram-se nos palcos do mundo e estabeleceram padrões para dramaturgia contemporânea.


Sobre o ator e diretor

Daniel Araújo é natural de João Pessoa. É especialista em Representação Teatral pela UFPB (2003) e mestre em Língua e Literatura Francesa pela USP (2008). Possui diploma de formação em interpretação pelo CPT – Centro de Pesquisas Teatral do SESC-SP, coordenado por Antunes Filho (2005/2006). Integrou o Coletivo de Teatro Alfenim de (2007-2013). É também diretor e roteirista de cinema.

Serviço:

Texto: Os Malefícios do Fumo
Autor: Anton Tchekov
Direção, adaptação e interpretação: Daniel Araújo
Concepção Visual: Tiago Trapo
Música: Diego Souza (Violoncelo) e Gerson Abrantes (Bateria)
Iluminação: Gontran
Local: Teatro Paulo Pontes
Data: 17, 18 e 19 de junho
Hora: 20H
Ingressos: R$ 20 inteira / R$ 10 meia
 

Notícias relacionadas