menu

Ceará

26/11/2015


Pesquisa mostra que cearense é o que declara viver mais plenamente

“Viver ao máximo significa uma experiência e um sentimento de ‘confesso que vivi’”. A citação do psicólogo e professor da Universidade de São Paulo (USP), Esdras Vasconcelos, ajuda a entender a principal razão pela qual 39% dos brasileiros dizem “viver ao máximo”. Na pesquisa, lançada ontem em São Paulo, o Ceará, supera a margem nacional: no Estado, 54% dos entrevistados afirmaram viver dessa forma. É o maior percentual do País.

O Nordeste, que corresponde a 17% dos entrevistados, teve resultados semelhantes aos do Norte. Nas duas regiões, as pessoas se mostraram “resilientes e corajosas”. E consideraram impedimentos para “viver ao máximo” questões como estruturas de moradia e transporte. Para Andréa Costa, diretora de Inteligência de Mercado da Abril, não fosse por problemas que o poder público deve resolver, “os cearenses viveriam muito bem”.

No País, também apareceram como barreiras para “viver ao máximo” questões como falta de dinheiro (60%), falta de tempo (43%), excesso de burocracia no dia a dia (34%), medo de desapontar as pessoas (26%) e falta de autoconfiança (26%). Apesar das dificuldades, 87% dos brasileiros se disseram otimistas sobre o futuro. No Ceará, o índice chegou a 88%.

 

Insatisfação feminina

A pesquisa ainda mostrou que, enquanto 54% dos homens com idade média de 41 anos afirmaram viver totalmente satisfeitos no âmbito familiar, afetivo e espiritual, 58% das mulheres de 34 anos estão descontentes, principalmente sobre falta de dinheiro e vida profissional.

Luana Severo
O Povo

Notícias relacionadas