menu

Brasil

25/11/2015


PF diz a Cardozo que notificação de filho de Lula seguiu trâmite normal

Ao comentar a 21ª fase da Operação Lava Jato, que prendeu o empresário José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, defendeu a “autonomia” da Polícia Federal.

“As investigações precisam ser conduzidas de forma autônoma. A mim, só cabe verificar se a lei está sendo cumprida, se está sendo respeitada”, disse o ministro em entrevista ao iG.


Há cerca de um mês, o ministro pediu uma apuração sobre um procedimento adotado pela PF, que notificou o filho de Lula, o empresário Luís Cláudio Lula da Silva, por volta das 23 horas.Cardozo disse ter sido informado da ação para a prisão de Bumlai e de outras pessoas, no início da manhã desta terça-feira (24), pelo diretor da Polícia Federal, Leandro Daielo.

De acordo com o ministro, seu pedido de informações não ocorreu devido ao parentesco do notificado com o ex-presidente.

De antemão, Cardozo explicou ao iG que as informações preliminares são de que os procedimentos previstos no Código de Processo Civil, que impedem procedimentos durante a noite ou nos finais de semana, geralmente não são observados em casos de notificações pela Polícia Federal. 

Assista abaixo aos vídeos da entrevista do ministro José Eduardo Cadozo ao iG:

 

 

IG

Notícias relacionadas