menu

Brasil

24/02/2015


PMDB indica deputado Hugo Motta para presidir CPI da Petrobras

Política

O deputado Hugo Motta (PMDB-PB) foi indicado há pouco pelo líder do PMDB, deputado Leonardo Picciani (RJ), para presidir a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras. “A escolha se deu pelo seu histórico e por presidir no mandato passado, com muita altivez e competência, a Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara, o que o credencia para conduzir com muito vigor as investigações sobre os escândalos da Petrobras”, disse Picciani.

O líder disse que o PMDB escolheu ficar com a presidência da comissão porque é esse grupo que dita o ritmo dos trabalhos, e “o PMDB tem pressa nessas investigações, na apuração dos fatos”. De acordo com Picciani, a eleição de Hugo Motta para o cargo será tranquila e feita por acordo, como é tradição na Câmara. Segundo ele, Motta irá conduzir com vigor as investigações da CPI sobre a corrupção nos contratos da Petrobras.

A CPI da Petrobras será instalada às 12h de quinta-feira (26). A comissão foi proposta principalmente por deputados de partidos de oposição para continuar as investigações sobre as denúncias de corrupção na Petrobras. A CPI tem como finalidade investigar a prática de atos ilícitos e irregulares no âmbito da Petrobras, relacionados ao superfaturamento e gestão temerária na construção de refinarias no Brasil, entre outras denúncias envolvendo a petrolífera.

Leonardo Picciani descartou a possibilidade de a CPI não atingir os resultados e acabar em pizza. Segundo ele, há muita cobrança da sociedade para que se faça as investigações e também há desejo do Parlamento de investigar e apurar as denúncias para que os culpados sejam punidos. Em relação à relatoria dos trabalhos, Leonardo Picciani disse que o cargo deverá ficar com um deputado do PT, partido que tem a maior bancada da Câmara. “A tendência é a relatoria ficar com o PT”.

Inicialmente, a presidência da CPI deveria ficar com o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), que disputou a liderança partidária com Picciani, mas o parlamentar baiano recusou a indicação para o cargo e o líder optou então por Hugo Motta, que está em seu segundo mandato parlamentar.

O futuro presidente da CPI disse estar preparado para o cargo e promete atuar com total isenção e imparcialidade, deixando de lado as conveniências políticas e partidárias. “Existem fatos que levam esta comissão a investigar muito mais que a CPMI da Petrobras, que funcionou no ano passado. Tenho expectativa muito grande com as investigações dos fatos. Vamos atuar com isenção e imparcialidade.”

“Vamos fazer um trabalho sério, com isenção e autonomia. Não vamos aceitar pressão nem do governo nem da oposição”, disse Motta. Segundo ele, a CPI vai investigar o que for necessário e não se pode “embolar o meio de campo” e prejudicar as investigações. “Vamos acatar o que for melhor para as investigações. Não tenho problema com as pressões.”

O deputado Hugo Motta disse que defende que todas as pessoas envolvidas nas denúncias compareçam à CPI para prestar as informações necessárias às investigações. “O Brasil quer que essa CPI não erre.”

 

(Da Agência Brasil)

Notícias relacionadas