menu

Bahia

07/01/2016


Prefeitura põe órgãos em alerta por causa da chuva

Os órgãos do Sistema Municipal de Proteção e Defesa Civil (SMPDC) da Prefeitura de Salvador se mantêm em alerta para atender às demandas da população em consequências da forte chuva que cai desde a segunda-feira (4). Primeiro órgão a ser acionado em caso de complicações, a Codesal prossegue de prontidão para atendimento e registro das solicitações, através do telefone 199.

Até quarta-feira (6), 262 chamadas de emergência foram atendidas. A maioria relacionada a ameaças de desabamento de imóvel, com 57 chamados, seguido de deslizamento de terra, com 39 ocorrências. De acordo com o órgão, foram distribuídos ainda 3.882 metros de lona, beneficiando pelo menos 31 famílias em diversas localidades.

Feita a solicitação, um engenheiro vai até o local para avaliar a área e orientar os moradores sobre as medidas a serem tomadas. Segundo a Codesal, é de fundamental importância que a população siga as orientações do profissional, para evitar acidentes.

"Todos os nossos profissionais são capacitados para atuar nas situações mais adversas, principalmente relacionadas à chuva. Temos uma equipe multidisciplinar com engenheiros, atendentes e assistentes sociais, além dos profissionais que colocam as lonas e realizam a limpeza nas áreas e permanecemos de prontidão 24 horas por dia", explica o diretor-geral do órgão, Álvaro da Silveira Filho.

Distribuição de lonas

Para que as lonas sejam liberadas, uma avaliação deve ser feita na área por profissionais da Codesal. Eles analisam a necessidade do equipamento e verificam o tamanho necessário para cada local. Se a área for de fácil acesso, o próprio morador será instruído a colocar a lona, seguindo orientações dos técnicos do órgão. Se o espaço for grande, íngreme ou o morador possuir alguma dificuldade de locomoção, os técnicos da Defesa Civil, com apoio de agentes da Limpurb, instala a lona.

A Codesal destaca ainda que a lona deve ser utilizada para evitar deslizamentos de terra. Ela não deve ser colocada em telhados ou lajes, pois o peso gerado pelo excesso de água pode potencializar o desabamento. Para evitar maiores transtornos, o lixo deve ser depositado em locais adequados.

Se despejado na rua, o entulho entope bueiros e pode causar alagamentos em ruas, avenidas e até residências. Nas encostas, o lixo descartado de forma irregular deixa o solo frágil e possibilita o deslizamento da terra. "Em todas as nossas ações destacamos o cuidado com o lixo e os riscos que ele pode causar", completa Silveira Filho.

Notícias relacionadas