menu

Pernambuco

31/03/2015


Professores estaduais fazem assembleia e prometem radicalizar o movimento

Professores e profissionais administrativos da rede estadual de ensino têm assembleia geral marcada para as 14 horas desta terça-feira (31), na frente da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe) para tomar conhecimento e deliberar sobre o resultado da rodada de negociação que só terminou no final da noite desta segunda-feira (30), na Secretaria de Administração, no Pina, Região Sul do Recife. “Avanço nenhum”, resumiu, às 23h, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação de Pernambuco (Sintepe), José Fernando de Melo, após mais de cinco horas de negociação. “A reação deve trazer um processo mais radicalizado”, avaliou.

“Tentamos construir caminhos, mas o Governo insisti no Projeto (de Lei 79) e a categoria se sente contemplada pela Legislação. O sentimento é de muita indignação”, ressaltou o presidente do Sintepe. Embora faça referência à implantação do reajuste do Piso Salarial Nacional dos Professores, o texto do projeto prevê a aplicação dos 13,01% de reajuste apenas para os professores com formação de nível médio (antigo Magistério). Os demais teriam reajuste de apenas 0,89%, que seriam suficientes apenas para que não ficassem com salários menores que os educadores com formação de Nível Médio, desconsiderando o Plano de Carreiras e achatando as perspectivas de melhoria de remuneração.

Além da mobilização promovida pelo Sintepe, o Projeto de Lei 79 enfrenta, também nesta terça, no mesmo horário, audiência pública na sede do Ministério Público de Pernambuco (MP-PE), primeira etapa de uma investigação pela Promotoria de Justiça em Educação para esclarecer se o Governo Estadual está cumprindo a Lei 11.738/2008, a Lei do Piso Salarial Nacional do Magistério. O secretário de Administração de Pernambuco, Milton Coelho (PSB), está convocado por ser o responsável pelas negociações salariais com servidores públicos.

O objetivo de realizar a assembleia junto à Alepe é cobrar dos deputados o compromisso com os cerca de 73 mil profissionais da rede estadual de ensino, pelo respeito à Lei do Piso Salarial. Os 48 mil professores da ativa e 5,5 mil administrativos estão em estado de greve desde o dia 13 de março e realizaram paralisação de advertência na quarta (25) e quinta-feira (26). Segundo o Sintepe, a adesão alcançou média de 80%, com picos de 100% em Goiana, na Região Metropolitana do Recife, e 98% em Petrolina, no Sertão.

Diario de Pernambuco 

Notícias relacionadas