menu

Brasil

14/07/2014


Projeto de sustentabilidade quantifica emissão de CO2 em kg

Nesta Edição

Os gases que ocasionam o efeito estufa são constantemente emitidos por atividades rotineiras consideradas simples. Uma viagem de avião ou de carro, o uso do ar condicionado, gastos com energia com geradores ou da rede elétrica e até mesmo o acúmulo de resíduos são exemplos de ações que produzem o gás carbono (CO2), prejudicial à Camada de Ozônio. A maioria dessas atividades é indispensável para promover um evento bem estruturado, como um fórum ou um congresso. Mas, para compensar toda essa produção de CO2 surgiu o Evento Neutro, um selo verde dado àqueles eventos que quantificam a emissão de carbono e revertem em uma ação de compensação ambiental na mesma proporção, com a chamada neutralização.

O Evento Neutro é um programa voluntário de responsabilidade socioambiental e tem como objetivo principal viabilizar economicamente projetos de desenvolvimento sustentável que não existiriam sem os incentivos do mercado de carbono. Todos os projetos que recebem o estímulo são verificados anualmente por entidades independentes para obtenção de VERs (créditos de carbono – Voluntary Emission Reducion) por tonelada de gás carbônico removida ou por emissões evitadas. 

O Projeto Pequena Central Hidrelétrica (PCH) Garganta do Jararaca, que trabalha com a proteção de espécie de peixes e outros cuidados ambientais da instalação, está na lista das ações socioambientais apoiadas pelo programa. Além desse há o Projeto Floresteca, que produz madeira florestal em conjugação com a conservação de trechos de mata nativa; o Projeto Floresta Santa Maria (REDD), que ajuda a preservar o rio Aripuanã por meio da conservação da floresta evitando erosão e intervenção humana, entre outros. 

Para o coordenador do Evento Neutro, Fernando Beltrame, o projeto tem a responsabilidade social de conscientizar e sensibilizar o público envolvido a respeito das causas e consequências das mudanças climáticas, estimulando a participação de todos na minimização de ações prejudiciais ao ambiente. “É uma forma de você conscientizar as pessoas e reduzir o impacto ambiental. A copa do Mundo da Alemanha e as Olimpíadas de Londres também tiveram essa mesma preocupação com a emissão de carbono”, conta Fernando. Ele explica que o cálculo realizado para saber quanto de CO2 foi emitido em um evento pode ser quantificado em kg CO2, podendo ser realizado pelo site http://calculadora.eccaplan.com.br/, da empresa de consultoria sustentável Eccaplan, criadora do projeto. 

A neutralização de carbono é uma prática de responsabilidade socioambiental baseada no Protocolo de Kyoto, acordo feito em 1997 em que as principais nações do mundo se comprometeram em reduzir suas emissões de gases de efeito em 5% entre 1990 e 2012. Mas, de acordo com Fernando, a prática aqui no Brasil está muito longe disso. “Desde 2009, só São Paulo tinha que reduzir 30% da emissão de carbono até 2012. Ao invés disso aumentou a emissão do gás de 4% a 7 % até 2012. Isso mostra o descaso”, revela.

(Leia a matéria completa na edição nº 91 da Revista Nordeste, à venda em todas as bancas)
 

Notícias relacionadas