menu

Pernambuco

15/01/2020


PT de Recife descarta candidatura própria e mantém aliança com PSB

JCONLINE

O presidente do PT no Recife, Cirilo Mota, apresentou nesta quarta-feira (15) a resolução do partido que aponta um caminho de alianças para as eleições municipais deste ano. “No debate dessa resolução já apontamos que o caminho que a Executiva do PT aponta é o de alianças, pois viemos de uma aliança vitoriosa em 2018”, explicou.

Segundo Cirilo, estar na Frente Popular rendeu bons frutos ao Partido dos Trabalhadores, não apenas em 2018, quando o partido apoiou a reeleição de Paulo Câmara (PSB), mas desde os tempos em que o partido governava o Recife. “Em 2018 recuperamos nossas vagas na Câmara Federal, elegemos três deputados estaduais e reelegemos o nosso senador Humberto Costa. Foi nesse campo (de aliança) que os governos do PT se elegeram com João Paulo e João da Costa e defendemos hoje que a candidatura seja nascida nesse mesmo campo de aliança”, disse.

Confira trecho da resolução do PT que aponta que o melhor caminho é permanecer na Frente Popular, o que esfria os planos da deputada federal Marília Arraes de ser candidata a prefeita:

“Por isso, reafirmamos que o PT deve permanecer na Frente Popular do Recife, dialogando com os setores progressistas da capital, colocando o protagonismo do partido a serviço do debate democrático e popular construindo com prioridade absoluta nesse período, a montagem da chapa completa de vereadores/as, buscando a sua ampliação com critérios de representatividade política e social, com atenção às diversidades, a participação de jovens, negros e mulheres candidatas, todos e todas engajadas para valer, denunciando as perseguições ao presidente Lula e a luta pela anulação das suas condenações fraudulentas em um conluio jurídico midiático de Sérgio Moro, Deltan Dallagnol e seus asseclas, provados pelo The Intercept, sendo a voz do povo recifense na capital pernambucana”, diz o documento.

ELEIÇÃO EM RECIFE – Além da resolução, o presidente municipal do PT apresentou o Grupo de Trabalho Eleitoral (GTE) que será composto por sete membros oriundos das chapas que compõem o Diretório da Executiva Municipal. Eles ficarão responsáveis por iniciar os debates sobre aliança ou candidatura própria com a base do partido e movimentos sociais.

Notícias relacionadas