menu

Brasil

18/12/2014


PT lança candidatura Chinaglia à presidência da Câmara

Com o apoio de outros cinco partidos, o PT lançou hoje a candidatura do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) à presidência da Câmara para o próximo biênio 2015/2016. Chinaglia já presidiu a Câmara no biênio 2007/2008 e sai candidato dessa vez com o apoio, até agora,de 90 deputados.. Ele se lançou candidato com uma queixa que, na verdade é uma grave denúncia: ele acusou acusou a Secretaria de Comunicação da Casa de “tentar interferir no resultado da disputa”. O deputado ficou irritado com a divulgação pela TV Câmara de que ele foi lançado candidato com apoio do governo.

“Eu quero finalizar (o discurso) com uma reclamação. Ontem, em um dado momento, eu fui assistir à sessão em meu gabinete. E lá estava a notícia, através daquelas letrinhas que correm permanentemente: ‘Deputado Arlindo Chinaglia foi lançado candidato à Presidência da Câmara com apoio do PT, PCdoB, PROS e do governo’. Aliás, se não me falha a memória, diziam em primeiro lugar, com apoio do governo”, disse o petista.

Candidato acusa TV Câmara de prejudicá-lo

“Ninguém da Secretaria de Comunicação tem o direito de fazer esse tipo de abordagem porque eles são maduros o suficiente para saber que esse tipo de noticiário é uma tentativa de interferir no resultado da disputa da presidência”, completou.

Ele afirmou que quando foi eleito para comanda a Casa nunca usou da condição de líder do governo, cargo que ocupava na época, para ganhar votos. “Se eu não utilizo, qual é o jornalista, qual é o diretor que tem autoridade, que sabe o que está fazendo, de dizer e fazer discurso de conveniência que este ou aquele candidato é do governo ou é da oposição ou aquele que é carne e peixe ao mesmo tempo?”, questionou.

Segundo o petista, o tratamento foi desigual porque os outros candidatos não foram apresentados como nomes do governo ou de oposição. “Eu não os vejo assim ([governo ou oposição). Qualquer um que venha a sentar naquela cadeira não tem esse direito, nem constitucional nem regimental. E, se alguém tentar, o plenário vai segurar. Essa é uma tentativa de desqualificar a cadeira da presidência”.

Notícias relacionadas