menu

Ceará

16/09/2015


Quase 80% dos municípios dependem de carro-pipa; 922.092 pessoas atendidas

Com 37 municípios cearenses incluídos na Operação Carro-Pipa, empreendida pelo Exército Brasileiro, o Estado passa a ter 79,3% das cidades com abastecimento hídrico feito por carros-pipa. O anúncio, do Comitê Integrado de Combate à Estiagem no Ceará, incluiu municípios da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), como Aquiraz e Pindoretama, à lista de 109 cidades em que circulam 1.384 carros-pipa na zona rural, atendendo 922.092 pessoas.

O secretário do Desenvolvimento Agrário do Estado, Dedé Teixeira, explica que, passada a quadra chuvosa, a necessidade dessa “ação emergencial” tende a aumentar e adianta que outros 15 municípios devem se somar, em breve, à lista – totalizando 161 cidades.

A operação nos municípios recém-incluídos está em fase de reconhecimento, de acordo com a assessoria do Exército. Nesse período, as comunidades e pessoas que passarão a ser atendidas são listadas, bem como é indicado ao Exército qual será a fonte de água a ser utilizada para o abastecimento. Conforme Vanuzia Assunção, coordenadora de Recursos Hídricos da Prefeitura de Aquiraz, o prazo de início do atendimento não foi estabelecido.

O Exército explica que “a frota atualmente contratada não tem capacidade para atuar nos novos municípios” e que será acionado o “Ministério da Integração Nacional (MI) a fim de que sejam descentralizados recursos (financeiros) para implantação do abastecimento”.

Com cerca de 25 comunidades abastecidas por carros-pipa da prefeitura, Aquiraz espera que a operação ajude nesse suprimento, afirma a coordenadora.

Sem ter notícia de período em que a estiagem tenha castigado tanto, a agricultora Neide Amorim, 52, espera que os carros-pipa cheguem logo. “A água que vem uma vez por semana quase não dá para os sete dias. A gente tem de escolher quem toma banho”, relata.

Em Farias Brito, a 475 quilômetros de Fortaleza, a situação, conforme João Frutuoso, secretário da Agricultura do município, é ainda pior. “Só temos um carro que abastece como pode as comunidades. O resto da água é dos poços, que estão secando. Os carros-pipa têm sido esperados como a salvação”, salienta.

 

Saiba mais

A inclusão de cidades mais próximas ao litoral, em que o volume de chuva foi maior, é explicado pelo secretário devido à imprecisão na medição das precipitações, feita em geral nas sedes. “Atualmente, 32 municípios cearenses , alguns do Litoral como Beberibe e Cascavel, têm zonas com características que se assemelham ao semiárido e já pleiteam fazer parte dessa região”, afirma.

Domitila Andrade
O Povo

Notícias relacionadas