menu

Brasil

30/09/2015


Reforma ministerial de Dilma leva Jaques Wagner à Casa Civil

Depois de muitas insistidas por alas do PT e principalmente pelo ex-presidente Lula, a presidente Dilma Rousseff decidiu ceder e tirar da Casa Civil o ministro Aloizio Mercadante, considerado por ela o principal aliado do Planalto. A mudança acontecerá em um momento crucial para o governo, que precisa de votos no Congresso para manter os vetos da presidência da República a medidas que prejudicariam o ajuste fiscal e também para barrar um eventual processo de impeachment.

 

Mercadante, porém, não deixará o governo. Ele deve voltar a assumir o ministério da Educação, pasta que já comandou por dois anos e que hoje está com Renato Janine Ribeiro, da cota da presidente.

 

Dilma já teria conversado com Mercadante na noite desta terça-feira e lamentado ter de abrir mão de seu grande assessor.

 

O nome mais cotado para a Casa Civil é o do atual ministro da Defesa, Jaques Wagner, defendido por Lula desde o ano passado. Ele foi chamado para uma conversa com Dilma na noite de ontem no Palácio do Planalto.

 

Aldo Rebelo, ministro da Ciência e Tecnologia, deverá assumir a Defesa no lugar de Wagner. Segundo o colunista Ricardo Noblat, Wagner passou o dia no Planalto nesta terça reunindo as informações necessárias para a mudança de função.

 

A reforma ministerial está prevista para ser anunciada nesta quinta-feira 1º. Dilma se reúne com Lula nesta quarta, em Brasília, para fechar as últimas mudanças. O redesenho dos cargos traz vantagem para o PMDB, que deverá ganhar sete ministérios, e deixa insatisfeito o PT, que perde espaço.

Notícias relacionadas