menu

Brasil

03/04/2014


Reportagem mostra que o Nordeste lidera assassinatos de homossexuais

NESTA EDIÇÃO

Se há uma região conhecida por seu colorido e por sua diversidade étnica e cultural, esta região é a Nordeste. Apesar desta imagem de tolerância, a região lidera a lista de homicídios motivados por homofobia no Brasil, com 133 lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros mortos em 2013, 43% do total registrado em todo o país, de acordo com o relatório anual do Grupo Gay da Bahia, entidade que Segundo o documento, a maioria das mortes de gays acontece na casa da vítima, enquanto a maioria dos travestis e transexuais morre na rua.

Durante 2013, foram 186 gays, 108 transexuais, 14 lésbicas, 2 bissexuais e 2 héteros mortos, confundidos com homossexuais. Pernambuco foi o estado que registrou o maior número de mortes de LGBT (34). Em seguida, vem São Paulo (29), Minas Gerais (25) e, empatados em quarto lugar, Bahia e Rio (20). A Região Nordeste concentrou 43% das mortes, seguida de Sudeste e Sul com 35%, e Norte e Centro-Oeste, com 21%.

Apesar de alarmante, a situação é ainda pior. Segundo Coordenador do Centro Estadual de Combate a Homofobia, órgão ligado ao Governo do Pernambuco, Rhemo Guedes, a maioria das estatísticas de homofobia no país é subdimensionada, graças à subnotificação de crimes de intolerância a identidade de gênero e a orientação sexual. “A maioria dos estados não tem dados oficiais sobre crimes motivados por homofobia, então trabalham com números de entidades e até com o que sai na imprensa”, explica o coordenador.

Ele diz ainda que a falta de legislação específica para a criminalização da homofobia também dificulta na hora de gerar dados estatísticos seguros sobre o número de crimes do tipo. “Trabalhamos com duas perspectivas, de que existem crimes de homofobia direta, onde dá pra identificar claramente que a intenção foi de usar de violência apenas porque a vítima é homossexual, e há casos onde há homofobia indireta, onde a população LGBT está vulnerável a violência por conta do preconceito”, esclarece.
 

(Veja a matéria completa na Edição nº88 da Revista NORDESTE já disponível nas bancas de todo país) 

Notícias relacionadas