menu

Brasil

11/11/2016


Revista NORDESTE: Sergipe – luta para manter a máquina

O estado de tem passado por sérias dificuldades para manter o pagamento da máquina administrativa. A dificuldade parece ser tanta que as secretarias do estado preferiram não mandar informações atualizadas para a NORDESTE. Os dados que seguem são basicamente de 2013.

Em 2013 o PIB cresceu 4,9%, em média. A produção de milho chegou as 750,7 mil toneladas em um ano. A de leite, beirou os 316 milhões de litros. Os efetivos de ovino e de caprino cresceram 52%. Nas exportações, recorde histórico: US$ 149 milhões em mercadorias vendidas. Entre embarques e desembarques, já se vê mais de 1 milhão de passageiros em apenas 12 meses. No acumulado de 2002/2010, a taxa de crescimento da economia sergipana foi de 44,4%, com o PIB estadual passando de R$ 9.454 milhões em 2002 para R$ 23.932 milhões em 2010. Na taxa média anual de crescimento, Sergipe (4,9%) superou os indicadores da região Nordeste (4,8%), que por sua vez foram maiores que a média do país (4,1%).

Tudo isso está presente no documento ‘Indicadores de Desenvolvimento Sergipano’, elaborado pelo Observatório de Sergipe, por meio da Secretaria de Estado do Planejamento, Orçamento e Gestão (Seplag), com o intuito de sistematizar, interpretar e demonstrar, em um só documento, um conjunto representativo de indicadores de diversas áreas que expressa as principais conquistas da sociedade sergipana na última década.

O índice Firjan, que mede o nível de desenvolvimento de estados e municípios brasileiros, sintetiza três importantes áreas do desenvolvimento socioeconômico: emprego e renda, educação e saúde. Numa escala de 0 a 1, Sergipe obteve o índice de 0,6920 em 2010, se enquadrando como desenvolvimento moderado, estágio anterior ao desenvolvimento máximo. Na agricultura, com a cultura do milho, através de programas de distribuição de sementes transgênicas e cessão de maquinário para apoio ao produtor, Sergipe passou a ocupar posição de destaque na produção nacional, alcançando a marca de 750,7 mil toneladas em 2010, o melhor ano da lavoura. A pecuária, com maior concentração no Alto Sertão sergipano, quase triplicou nos últimos 10 anos. Os efetivos de ovino e de caprino, cresceram em média 52%. Entre 2001 e 2011, a produção de mel de abelha cresceu 269%, chegando aos atuais 115 mil quilogramas de mel produzidos em Sergipe. A evolução da indústria sergipana é comprovada pelo crescimento de 59% no consumo de energia elétrica no setor entre 2001 e 2011 – a energia consiste num dos principais insumos para produção industrial. O volume de exportações das empresas do Estado também cresceu significativamente, sobretudo a partir de 2007. O valor das exportações entre 2007 e 2012 foi superior a US$ 682 milhões, contra US$290 milhões entre 2001 e 2006.  

PIB da Sergipe – IBGE (2013)

R$ 35,1 bilhões

Participação no PIB Nacional

0,66%

Participação no PIB per capita

R$ 16.028,28

Notícias relacionadas