menu

Brasil

19/08/2014


Roger Abdelmassih, ex-médico acusado de 52 estupros, é preso no Paraguai

O ex-médico Roger Abdelmassih, de 70 anos, foi preso no início da tarde desta terça-feira (19), na cidade de Assunção, no Paraguai. O foragido, que estava lista lista de procurados da Interpol, será transferido para São Paulo, informou a Polícia Federal (PF).

O Adelmassih estava foragido desde 2010 quando foi condenado pela Justiça a 278 anos de prisão e teve o registro cassado pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) de São Paulo por 52 estupros e atentados violentos ao pudor contra suas pacientes.

O criminoso foi preso perto da escola dos filhos por agentes ligados a Secretaria Nacional Antidrogas do Paraguai, que teve apoio da PF do Brasil. Ainda segundo a PF, o ex-médico já saiu do Paraguai e deve chegar a cidade de Foz do Iguaçu (PR) até o ínicio da noite de hoje.

O ex-médico chegou a ser preso em 2009, mas foi liberado às vésperas do natal, por conta de um habeas corpus concedido pelo então presidente do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes.

Dois anos depois, em 2011, quando Abdelmassih tentou renovar o passaporte, um novo pedido de prisão foi decretado. Mas o ex-médico nunca mais foi achado.

Abdelmassih estava morando em Assunção, capital do Paraguai, com a mulher Larissa e as duas crianças.

Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo havia instituído uma recompensa de R$ 10 mil por informações sobre o paradeiro do criminoso.

Antes das denúncias sobre abuso sexual e estupro, Abdelmassih era considerado um dos maiores especialistas em fertilização in vitro no Brasil. Segundo o médico, pelo menos 6.500 bebês nasceram graças aos seus tratamentos. Em sua clínica na Avenida Brasil (zona sul de São Paulo), passaram famosos como o ex-jogador Edson Arantes do Nascimento, o Pelé, o senador Renan Calheiros, o apresentador Gugu Liberato, o humorista Tom Cavalcanti e o ex-presidente Fernando Collor de Mello.

 

 (Do iG)

Notícias relacionadas