menu

Brasil

25/08/2014


Salvador registra 7,5 mil imóveis encalhados

Bahia

Incorporadoras paulistas desembacaram em 2009 em Salvador para explorar o mercado imobiliário da capital anunciando trazerem tecnologias e inovações nunca vistas antes na Bahia. A agressividade das grandes construtoras na aquisição de áreas na capital baiana foi só o começo de um ciclo que terminou em crise e colocou Salvador como uma das cidades que mais sentiram com o tropeço do mercado imobiliário. Segundo dados da Associação dos Dirigentes de Empresas do Mercado Imobiliário da Bahia (Ademi-BA), em 2006, foram lançados 2 mil imóveis na capital – número que saltou para 10 mil em 2010. Empresas como Cyrela, Gafisa, Rossi e PDG fizeram parceria com construtoras locais para explorar o mercado baiano. Uma delas, entre a Cyrela e a Andrade Mendonça, deu origem ao que era, à época, o maior empreendimento residencial em construção no País, com 1.138 apartamentos de alto padrão em 18 torres, na avenida mais movimentada da cidade.

Em 2011, o cenário mudou. Os indicadores econômicos nacionais começarem a se deteriorar, mas mesmo antes disso o mercado imobiliário baiano teve problemas. O plano diretor de Salvador, aprovado em 2008, foi suspenso, gerando insegurança jurídica. Em 2011, o número de unidades lançadas caiu para 7,8 mil e despencou para 2,3 mil no ano seguinte – patamar que se manteve no ano passado. "Em junho, estávamos com um estoque de 7,5 mil unidades – quase o dobro do que foi registrado em vendas em 2013", diz Luciano Muricy Fontes, presidente da Ademi. Quase todas as grandes empresas abandonaram os projetos em Salvador. Aos 67 anos, dono de uma construtora que tem 80% do negócio voltado para a primeira faixa do Minha Casa, Minha Vida (cujo valor do imóvel é 100% subsidiado pelo governo), Pessoa define o que aconteceu em Salvador como uma "hipnose coletiva". "Não entrei nessa, porque sou muito católico e rezo muito. Fui protegido por Deus". Com receita de R$ 450 milhões em 2013 e 6 mil funcionários, a Sertenge espera a crise passar para voltar a construir imóveis de médio padrão. "Por enquanto, somos filhotes do Minha Casa, e estamos muito bem assim". 

 

(Com Bahia Notícias)

Notícias relacionadas