menu

Brasil

13/05/2014


Samuel defende a “despolitização” da PM em Sergipe

SERGIPE

O deputado estadual Capitão Samuel Barreto (PSL) ocupou a tribuna da Assembleia Legislativa para defender o fim da despolitização do comando da Polícia Militar em Sergipe. Segundo o parlamentar, o comando da corporação trabalha para alterar o decreto de lei aprovado, recentemente, pela Assembleia Legislativa, modificando os critérios para a promoção de oficiais. Samuel disse que se todas as promoções passarem a ser políticas, como quer o Comando, a instituição poderá sofrer as consequências mais para frente. Ao fazer seu discurso, Samuel disse que queria fazer uma alerta e pediu o auxílio dos parlamentares da bancada governista na Casa

. “Dizem que onde há fumaça, há fogo! Vimos recentemente aqui os militares divididos entre praças e oficiais, onde uns queriam a aprovação do projeto do Executivo e outros não. Agora o Comando quer modificar o decreto de lei que regula a promoção dos oficiais. E aí vai rachar de vez a instituição”. Segundo o deputado Capitão Samuel as promoções de Capitão a Major e de Tenente a Coronel têm regras claras (merecimento ou antiguidade), mas o Comando quer fazer uma alteração. “O militar é promovido hoje por antiguidade ou tempo de serviço e por indicação política ou merecimento. Não existem regras! Agora o Comando tenta convencer o governador para modificar o decreto e fazer com que todas as indicações sejam políticas”. Em seguida, Samuel disse que essa posição do governo vai conflitar ainda mais a realidade interna da corporação.

“Aqueles que podiam ser beneficiados por antiguidade, vão deixar de ter o direito. Enquanto outras polícias no Brasil tentam despolitizar suas instituições, em Sergipe tem que atender os anseios do Comando. Querem politizar ainda mais! Já existem as vagas por merecimento. Não é necessários que todas elas sejam assim”. Samuel finalizou citando as polícias de Alagoas e de Goiás, enaltecendo a busca delas por critérios ainda mais técnicos. “Agora são oficiais que vão ficar contra oficiais. A tropa vai se dividir de vez! Se mudarem, o Capitão ou Major que for amigo, vai ser promovido de imediato. Instituição alguma funciona bem assim! Tem que acabar é com essas perseguições políticas. Se mudar a regra agora, aí a instituição vai se perder de vez”. 

Notícias relacionadas