menu

Brasil

02/05/2014


Sandra diz que Lucas foi preconceituoso e imprudente sobre ‘Puta Cultura’

PARAÍBA

A ex-vereadora de João Pessoa e atual presidente da Fundação Desenvolvimento da Criança e do Adolescente “Alice de Almeida” (Fundac), Sandra Marrocos (PSB), não gostou das declarações do líder da oposição na Câmara Municipal de João Pessoa (CMJP), o vereador Lucas de Brito Pereira (Democratas), sobre o projeto “Puta Cultura”.

Segundo Sandra Marrocos, que teve a defesa das profissionais do sexo como uma bandeira do seu mandato, disse que Lucas de Brito foi “preconceituoso” e “imprudente” ao criticar um dos segmentos profissionais mais antigos da história da humanidade. “Foi uma declaração muito preconceituosa e imprudente sim, principalmente, porque ele exclui uma atividade profissional que já é, por si só, descriminada pela sociedade”, disse Marrocos, que cobrou uma retratação do parlamentar na CMJP. “Esse rapaz precisa se retratar, mas qualquer atitude que ele faça, não esconderá o preconceito da sua fala”, complementou.

Por fim, Sandra Marrocos ainda criticou a forma de fazer oposição adotada por Lucas de Brito e aproveitou para mandar um recado direto ao vereador democrata. “Se ele quiser criticar a cultura, enquanto vereador oposicionista, que fale da política adotada no meio em João Pessoa, que sofre um retrocesso, prejudicando os pequenos artistas e produtores culturais. Ele deveria fazer uma oposição criteriosa e sugestiva e não escolher um segmento tão excluído da sociedade como alvo”, concluiu.

Cartaxo também lamenta as declarações

Sandra Marrocos não foi a única a se indignar com as palavras de Lucas de Brito. O prefeito de João Pessoa, Luciano Cartaxo (PT), também considerou o pronunciamento do oposicionista como preconceituoso. Segundo o gestor, existe um projeto de ponto de cultura, com edital e processo de seleção, que beneficiou diversas instituições e associações, dentre as quais a Associação de Prostitutas da Paraíba (Apros) e o Instituto dos Cegos.

“Qualquer associação teve o direito de apresentar uma proposta, que foi apreciada e selecionada por uma comissão. O edital foi do Governo Federal e selecionou entidades. Às vezes, as pessoas não têm informação e o preconceito fala mais alto. Eu lamento que um rapaz tão novo, tão jovem, advogado, e seja tão preconceituoso. É uma tristeza ver algo assim”, disse Cartaxo.

Entenda a polêmica

Em pronunciamento na sessão ordinária da última quarta-feira (30), na CMJP, o vereador criticou os investimentos da Prefeitura Municipal de João Pessoa (PMJP), por meio da Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope), na Associação de Prostitutas da Paraíba (Apros), no valor de R$ 180 mil.

“Existem pessoas escravas da prostituição. Em vez de nos depararmos com uma política pública para devolver a dignidade dessas pessoas e incentivá-las a saírem da prostituição, deparamo-nos com o contrário, com o desenvolvimento do programa Puta Cultura, que vai destinar R$ 180 mil para a Associação de Prostitutas. Precisamos saber o que vai ser feito com esses recursos”, declarou Lucas, na ocasião. O parlamentar se mostrou preocupado com a possibilidade de que o investimento para a Associação promova a manutenção da prática da prostituição.

WSCOM Online

Notícias relacionadas