menu

Brasil

17/10/2016


Serra se mete na Fazenda, prevê queda dos juros e diz que PEC 241 é pouco

O chanceler José Serra não tem qualquer ingerência sobre o Banco Central ou a área econômica, mas fez questão de decretar, da Índia, a queda dos juros nesta semana, em que haverá reunião do Comitê de Política Monetária.

"Cabe sim reduzir os juros nos próximos meses e vai acontecer isso, dadas as condições atuais de retração da inflação e inclusive em alguns casos de redução de preço, como dos combustíveis pela Petrobras”, disse ele.

Serra foi além afirmou que a PEC 241, que impõe um teto sobre os gastos públicos e foi a única iniciativa apresentada por Henrique Meirelles na Fazenda, não resolve os problemas econômicos do País. Segundo ele, a medida é positiva do ponto de vista da política fiscal e das expectativas, mas destacou que ela, por si só, não basta. “É preciso ter outras condições, inclusive de financiamento, abertura do comércio”.

Não é segredo para ninguém que Serra nunca quis o Itamaraty. Durante as articulações para o impeachment da presidente Dilma Rousseff, ele trabalhou para ser um superministro da Fazenda, sonhando em repetir a trajetória de Fernando Henrique Cardoso, com Itamar Franco.

No entanto, Michel Temer rechaçou as iniciativas de Serra e bancou Meirelles. O problema é que, até agora, os resultados da gestão Meirelles têm sido sofríveis na Fazenda. Em 157 dias, o desemprego disparou, a renda caiu, os investimentos afundaram, o consumo não reagiu e a arrecadação de impostos continua em queda livre.

É nesse ambiente de terra arrasada que Serra se prepara para dar o bote.

Notícias relacionadas