menu

Economia

07/10/2015


Setor de serviços e investimentos da Petrobras alavancam economia do RN

Na Revista NORDESTE

Por Pedro Callado

Nos últimos anos o Rio Grande do Norte acompanhou o crescimento da economia do Nordeste de forma modesta. Durante o governo do presidente Lula, o estado ficou entre sete federações que tiveram crescimento abaixo da média nacional. No ano passado uma estimativa do Banco Itaú apontou que a expectativa para a economia potiguar é uma média de avanço de 1,7% ao ano.


A economia do RN ainda é muito dependente do setor público que, em números de 2011, correspondia a 28,3% do Produto Interno Bruto do Estado. A participação da administração pública está dentro da fatia de serviços, que corresponde a 72,8% da economia. A indústria do RN, neste ano, detinha 23,7% e a Agropecuária completa com apenas 3,7%.


Apesar dos resultados menos expressivos, o Rio Grande do Norte se mantém como a 5ª maior potência econômica do Nordeste e busca novos investimentos. Um levantamento realizado pela Federação da Indústria e pelo Governo do Estado aponta que é possível ampliar o Produto Interno Bruto do estado dos atuais R$ 39,5 bilhões para R$ 100 bilhões em 20 anos. Para isso, os investimentos precisam ser concentrados em educação, infraestrutura, empreendedorismo e gestão de recursos públicos.


O estado recebeu nos últimos anos, com um investimento superior a R$ 215 milhões de dólares, um grande empreendimento da Petrobras, a Refinaria Potiguar Clara Camarão, localizada no Polo Industrial Petrobras de Guamaré. O equipamento produz diesel, nafta petroquímica, querosene de aviação e gasolina automotiva, o que tornou o Rio Grande do Norte o único estado do país autossuficiente na produção de todos os tipos de derivados do petróleo. Além de atender o próprio território, a refinaria também atende o sul do Ceará.


Outro projeto que promete crescimento para a economia potiguar é o hub da Tam. Mas neste caso o Rio Grande do Norte está na disputa contra os estados do Ceará e Pernambuco. O hub é um centro de distribuição que é utilizado para racionalizar trajetos e economizar custos para as empresas. Natal leva vantagem sobre os estados vizinhos por ser o ponto mais próximo da Europa e África nas Américas. O escolhido da Tam será anunciado até o final do ano, se vencer, Natal receberá um investimento de R$ 4 bilhões.


Não é só na aviação que o RN entra na disputa com Ceará e Pernambuco, mas também na navegação. O Estado apresentou em junho deste ano uma proposta de construção do Terminal Portuário do Potengi, um projeto orçado em R$ 6,98 bilhões. O Centro de Estratégia em Recursos Naturais e Energia afirma que o projeto inclui a construção de uma ponte e um corredor logístico de integração com outros modais e centros de distribuição do RN. Isso daria ao Terminal a possibilidade de receber indústrias que não poderiam ir para Pecém ou Suape, nos estados do Ceará e Pernambuco, respectivamente.

PIB em 2012

R$ 39,5 bilhões

Participação no PIB
brasileiro em 2012

0,9%

Participação no PIB
per capita em 2012

R$ 12.249 Mil

Dados IBGE 

Confira a revista na íntegra CLICANDO AQUI.
Revista NORDESTE já pode ser acessada gratuitamente em smartphones e tablets

Notícias relacionadas