menu

Brasil

10/04/2014


Sport segura empate com o Ceará e conquista Copa do Nordeste

EM FORTALEZA

Mais de 60 mil torcedores e uma só decepção na Arena Castelão. Na noite desta quarta-feira, o Ceará não passou do empate em 1 a 1 com o Sport e ficou com o vice-campeonato da Copa do Nordeste. Sem atuação de brilho no ataque, o Vovô falhou na tentativa de vencer por três gols de diferença e levantar a taça do Regional. Fim de um dos sonhos no ano do centenário do clube de Porangabuçu. Já o Sport, que triunfou por 2 a 0 no jogo de ida, selou o seu terceiro título de campeão do Nordestão.

"Desespero" não é uma palavra forte. Forte mesmo é o emprego do "quase" no futebol. Quando o jogo em questão se trata de uma final, então, não há torcedor paciente que reaja a uma bola que deixou de entrar por pouco. No jogo entre Ceará e Sport, os mais de 60 mil alvinegros comprovaram esta máxima. O time dominou a etapa, acuou o Leão pernambucano e desferiu golpes incansavelmente à meta adversária. E quem arrisca mais, também está sujeito a desperdiçar mais. Os suspiros dos alvinegros ecoaram com as jogadas de efeito de Assisinho, com a cobrança de falta perigosíssima de Ricardinho, aos 24 minutos, além do tento incrivelmente perdido por Magno Alves, aos 37, cara a cara com Magrão.

Mas a multidão preta e branca não desistiu. Xingou muito, é verdade, mas não desistiu. Mesmo com a surpreendente postura ofensiva do Sport, que deu trabalho ao arqueiro Luís Carlos, principalmente em lances de Wendel e Ewerton Páscoa. Só que não era a Ilha do Retiro, mas sim o Castelão. Por lá, o artilheiro atende pelo apelido de Magnata. Aos 42 minutos, o camisa 11 recebeu assistência de Souza e marcou: 1 a 0. Dos assentos, o grito de "eu acredito" subiu de volume. Para o nível ensurdecedor.

A etapa final parecia ser o momento do Alvinegro embalar de vez, depois de um primeiro tempo com gol e diversas oportunidades criadas. Contudo, logo no início dos últimos 45 minutos, veio a decepção. Pior do que a dor do tal "quase" é o balanço das redes indesejadas. Aos 4, Neto Baiano caiu na grande área e o árbitro assinalou pênalti. O próprio cobrou, sem piedade, e empatou a partida: 1 a 1. Agonia dos amantes do Vovô no Castelão. Início do desequilíbrio dos comandados de Sérgio Soares no gramado.

Ao passo que o Sport aumentou a responsabilidade do Ceará, que precisaria de três gols para vencer, os anfitriões não conseguiram chegar ao ataque com qualidade. Não há jogadas de destaque a serem citadas. Apenas o desapontamento dos milhares de alvinegros no estádio cearense, que nos minutos finais deixaram os setores do Castelão rumo a suas casas. Muitos apoiadores se voltaram contra o treinador alvinegro, que foi chamado de "burro". Mas nenhuma tentativa de encontrar culpados foi maior do que o tombo de um "quase" título que não chegou perto de existir na decisão.

Ficha técnica Ceará 1 x 1 Sport

Ceará: Luís Carlos; Samuel Xavier, Sandro, Anderson, Vicente; Amaral, Ricardinho (Rogerinho), Souza (Tadeu), Assisinho (Leandro Brasília); Bill e Magno Alves. Técnico: Sérgio Soares.

Sport: Magrão; Patric, Ferron, Durval, René, Ewerton Pascóa, Rodrigo Mancha, Wendel (Igor), Aílton; Neto Baiano e Felipe Azevedo (Osvaldo). Técnico: Eduardo Baptista.

Local: Arena Castelão
Data: 9/4/2014
Horário: 22 horas
Árbitro: Jaílson Macedo Freitas (BA)
Assistentes: Adson Márcio Lopes (BA) e Aílton Farias da Silva (BA)
Gols: Magno Alves (42min/1T), Neto Baiano (6min/2T)
Cartões amarelos: Bill, Luís Carlos, Magrão
Renda: R$ 1.476.187,00
Público pagante: 60.068
Público não pagante: 1.162

Notícias relacionadas