menu

Sergipe

02/07/2015


Subvenções: Novas testemunhas são ouvidas

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE/SE) passa a ouvir, a partir desta quinta-feira (2), as testemunhas referidas nos processos de irregularidades no repasse e na aplicação de verbas de subvenção social da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese).

Estas testemunhas foram indicadas pela Procuradoria Regional Eleitoral após terem sido citadas por outras testemunhas em fases anteriores de oitivas.

Serão ouvidos pelo juiz Fernando Escrivani Stefaniu Alessandra Santos Menezes, Luiz Carlos Santos Filho, Edivânia Menezes, que estão relacionados à Associação Sergipana dos Produtores de Eventos (Aspe), e Laelson Edmilson Costa Santos e Allisson Teles Costa, ligados à Associação de Moradores Carentes de Moita Bonita

No período da tarde, partir das 16h, serão ouvidos Ana Paula Menezes, da Associação de Moradores de Malhador, Ângelo Leonardo Martins e Wendel Martins, ligados à Associação de Moradores e Amigos do Bairro Nova Veneza e João Bosco de Brito, Laelson Menezes e Dielson Tadeu Leite, relacionados à Associação Comunitária Beneficente Dona Caçula.

Aspe – Alessandra Santos Menezes foi convocada a depor por ter sido citada como a responsável pela realização de saques de cheques da Aspe, além de ser sócia da Avalanche Produções, empresa que também recebeu valores da associação.

Luiz Carlos Santos Filho será ouvido por ter sido apontado como tesoureiro da Aspe enquanto Edivânia Menezes, será ouvida por ser a suposta proprietária do imóvel onde, em tese, funcionaria a sede da associação, além de ter acompanhado Alessandra Menezes em saques de cheques da Aspe.

A Aspe recebeu R$ 725 mil de subvenções repassadas pelos então deputados Suzana Azevedo, Zeca Ramos e Paulo Hagenbeck (Paulinho das Varzinhas), apesar de ter o escritório fechado há mais de um ano.

Moita Bonita – No caso da Associação de Moradores Carentes de Moita Bonita, Laelson Edmilson Costa Santos será ouvido porque a entidade tem sede em um imóvel de seu pai, além de ser esposo de Soraya Nunes Barreto dos Santos, ex-presidente da associação. O casal já trabalhou como assessor parlamentar de Angélica Guimarães e o irmão de Laelson, Fábio Costa dos Santos, foi beneficiário de um cheque de mais de R$ 90.000,00 da entidade.

Ainda em relação a esta associação, será ouvido Allison Teles Costa, administrador do Posto Santa Terezinha, beneficiário de diversos pagamentos efetuados pela associação.

A entidade recebeu R$ 275 mil que a entidade recebeu dos deputados Luiz Mitidieri, Angélica Guimarães, Arnaldo Bispo e Venâncio Fonseca.

Quando visitada pela PRE/SE, a associação funcionava num endereço residencial. A casa estava fechada e exibia uma placa de propaganda política de Vanderbal de Andrade, marido de Angélica Guimarães e candidato a deputado estadual à época, e de outros candidatos da mesma coligação.

Malhador – A tesoureira da Associação de Moradores de Malhador, Ana Paula Menezes, prestará esclarecimento sobre o uso dos R$ 85 mil que a associação recebeu do deputado Venâncio Fonseca

Amanova – No caso da Associação de Moradores e Amigos do Bairro Nova Veneza (Amanova), Ângelo Leonardo Martins será interrogado por ser proprietário da construtora CAOL, que recebeu recursos da entidade. Já Wendel Martins será ouvido por ter realizado saques da conta da associação.

A Amanova teve indicação de R$ 2,325 milhões em subvenções dos então deputados Paulo Hagenbeck (R$ 1,085 milhão), Augusto Bezerra (R$ 940 mil) e Suzana Azevedo (R$ 300 mil)

Durante as investigações realizadas pela Procuradoria Regional Eleitoral, ficou constatado que a associação funciona em um prédio térreo, sem estrutura para as atividades da associação. O deputado Augusto Bezerra recebeu diversos cheques da entidade em seu próprio nome, no valor total de R$ 478 mil.

Dona Caçula – As últimas testemunhas a serem ouvidas nesta terça estão relacionadas à Associação Comunitária Beneficente Dona Caçula, de Riachão do Dantas. A entidade está fechada há pelo menos seis anos e seria ligada à família do deputado Zeca da Silva, que repassou R$ 350 mil para a associação.

João Bosco de Brito, será ouvido por ter sido indicado como beneficiário de cheques da entidade além de ser apontado como assessor do Deputado Zeca da Silva e contador da associação.

O ex-prefeito de Riachão do Dantas, Laelson Menezes, foi convocado a depor por ter sido apontado como a pessoa responsável por convidar Emmanuel Santos Taveira para ser presidente da Associação Dona Caçula e tio do ex-deputado Zeca Ramos. Por fim, Dielson Tadeu Leite, será ouvido para explicar o recebimento de cheques da entidade.

Relembre o caso – Em dezembro de 2014, a Procuradoria Regional Eleitoral em Sergipe (PRE/SE) ajuizou 25 ações contra 23 deputados da legislatura vigente à época na Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), por irregularidades no repasse e na aplicação de verbas de subvenção social. Também foi processada a ex-deputada e atual conselheira do Tribunal de Contas do Estado, Suzana Azevedo. Além de os valores terem sido repassados ilegalmente, por conta de proibição na legislação eleitoral, o levantamento inicial identificou pelo menos R$ 12,4 milhões desviados de sua finalidade.

Jornal da Cidade

Notícias relacionadas