menu

Pernambuco

22/08/2016


Taxistas prometem realizar carreatas semanais no Grande Recife

Os transtornos causados pelo protesto de taxistas realizado na manhã desta segunda-feira podem se repetir semanalmente na Região Metropolitana do Recife (RMR). Foi o que prometaram hoje os manifestantes que, depois de fecharem a Avenida Mascarenhas de Moraes em frente ao Ginásio de Esportes Geraldo Magalhães (Geraldão), no bairro da Imbiribeira, seguiram em carreata pela Zona Sul do Recife até o Aeroporto Internacional dos Guararapes – Gilberto Freyre e retornaram ao ponto de concentração, onde o tráfego no sentido centro foi liberado por volta das 11h45.

Ao final do ato, os presentes decidiram em assembleia que um novo protesto será realizado na próxima segunda-feira. Desta vez, a carreata deverá seguir da Avenida Beira Rio até a Avenida Cais do Apolo, em frente à sede da Prefeitura do Recife. "Vai acontecer mais protestos deste tipo. Enquanto não for tomada uma posição séria e responsável pelas autoridades, vai ter outros protestos. Nós já estamos perdidos. Se é para tá perdendo dinheiro na rua rodando sem ter corrida, a gente para fazendo protesto", promete Henrique França, uma das lideranças do movimento, que não foi organizado pelo sindicato da classe. "Aqui é um grupo de taxistas que tomou essa atitude, aqui não tem sindicato, associação nem candidato. Somos nós que não estamos mais aguentando.Pagamos infinitas taxas enquanto eles só colocam combustível e rodam e muitas vezes colocam hás clandestino colocando a população em risco. Enquanto isso a prefeitura e a CTTU continuam de costas pra gente", acrescentou.

Já o taxista João Paulo Alves, que também coordenou o ato, adiantou que uma nova manifestação deverá ser realizada amanhã no centro do Recife. "É uma manifesto nacional que acontece hoje aqui, em Santos e em São Paulo. Amanhã vai acontecer na Bahia, Rio e outras cidades e vão ontinuar pelo país todo. Hoje reunimos em torno de 1.500 pessoas e amanhã vamos parar n centro da cidade", avaliou cobrando o cumprimento da lei: "O transporte remunerado de passageiros do Recife é exclusivo dos táxis. Quem faz transporte cladestino está sujeito a multa de R$ 2 mil e, se foi reincidente, dobra para R mil. A lei já está aí. Só falta a prefeitura e cttu cumprirem", provocou.

Vestidos de preto, os motoristas exibiram um caixão com taxímetro, faixas e cartazes para protestar contra os veículos que fazem transporte de passageiros utilizando aplicativos, como o Uber. Além do grande congestionamento e atrasos causados, o ato chegou a fechar o viaduto que dá acesso ao aeroporto, prejudicando, ainda mais, quem precisou viajar esta manhã. O comandante Araújo, da Polícia Militar, que acompanhou o ato, adiantou que não houve o registro de incidentes durante o percurso. Os ânimos, no entanto, chegaram a se acirrar quando alguns motoristas resolveram descer dos veículos em cima do viaduto. Em seguida,o cortejo voltou para a Mascarenhas, para voltar a fechar a via no sentido centro.

A Companhia de Trânsito e Transportes Urbanos (CTTU) enviou equipes ao local. Para evitar o grande congestionamento, os motoristas que seguiam para o aeroporto estão sendo orientados a seguir pelo bairro de Boa Viagem e só acessar a Mascarenhas na entrada da Rua Ribeiro de Brito.

A última manfestação da categoria havia sido realizada no dia 13 de julho deste ano, quando os taxistas percorreram diversas ruas do centro do Recife. O cortejo seguiu até o Palácio do Campo das Princesas, sede do governo do estado. Na ocasião, após reunião com representantes do governo, um novo encontro foi agendado para o dia 20 de julho.

Na reunião, um grupo de trabalho envolvendo representantes das secretarias estaduais e municipais ligadas ao transporte e dos taxistas que atuam nas cidades do Recife, Olinda, Paulista e Jaboatão dos Guararapes foi criado para debater as reivindicações da categoria relacionadas à circulação dos motoristas ligados ao aplicativo Uber no Grande Recife. O encontro foi realizado a portas fechadas, na sala de reunião da Secretaria de Turismo de Pernambuco, no Centro de Convenções de Pernambuco. Um novo encontro foi agendado para o dia 28 de julho para que as partes envolvidas apresentassem suas sugestões.

Os mais de 12 mil taxistas do Grande Recife e 18 mil em Pernambuco reclamam da concorrência desleal, uma vez que os outros profissionais não pagam as taxas as quais os taxistas estão sujeitos para terem a permissão de realizar o transporte de passageiros. Sem as cobranças, os motoristas do Uber conseguem aplicar valores abaixo da tarifa e atrair mais consumidores. Durante a reunião também será solicitada a formação de uma força-tarefa para realizar a fiscalização do trânsito na RMR.

Entre as principais reivindicações levantadas pela categoria está uma maior fiscalização, por parte da CTTU, de veículos que não estão cadastrados ou com autorização da Prefeitura do Recife (PCR) para realizar o transporte de passageiros. A fiscalização pedida pelos taxistas seria o cumprimento da Lei Municipal 18.176/2015, que determina que apenas veículos que possuem autorização e cadastro junto à PCR podem realizar o serviço de transporte de passageiros. Essa determinação mina o funcionamento de aplicativos como o Uber e o T81, que prestam serviço semelhante ao de táxi, com preços mais baixo.

Diário de Pernambuco

Notícias relacionadas