menu

Brasil

21/09/2015


Tecnologia em alta: Rio Grande do Norte, investimento em jovens cientistas

Na Revista NORDESTE

No Rio Grande do Norte, a Fundação de Apoio à Pesquisa do Estado (Fapern), coligada à Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico (Sedec), tem ajudado a fomentar a pesquisa científica, tecnológica e de inovação no Estado através de convênios e acordos de cooperação assinados com os organismos federais. Nos últimos anos a FAPERN conseguiu captar recursos da ordem de R$ 91,3 milhões. Desse total 27,1% corresponderam a recursos estaduais. Os projetos têm como objetivo o desenvolvimento científico e tecnológico em áreas como o agronegócio, a mineração, a carcinicultura e a inovação tecnológica nas micro e pequenas empresas do estado, mas também nas áreas de saúde, social e de ciências exatas. A partir desses investimentos do Estado o Rio Grande do Norte mantém alguns pontos estratégicos do desenvolvimento em tecnologia, entre eles o Instituto Metrópole Digital, o Laboratório LAUT e o NatalNet. 

 

Metrópole Digital

O Metrópole Digital é um instituto da UFRN na área de tecnologia da informação criado formalmente em 2011. O papel principal do Metrópole é contribuir para ajudar o estado a fomentar a criação de um Polo Tecnológico na área de tecnologia da informação. “O IMD tem forte atuação no desenvolvimento de jovens talentos”, conta o professor Ivonildo Rego, Diretor do Instituto. Além de cursos técnicos, o Instituto também oferece graduação, um bacharelado em Tecnologia da Informação. No curso técnico, dois mil jovens já conseguiram titulações intermediárias. “Temos uma residência na área de engenharia de software, onde o aluno desenvolve o projeto dentro da empresa”, ressalta. Além do ensino, o IMD tem 21 empresas incubadas. “Já graduamos a primeira empresa. Ela tem negócio em 16 estados e escritório em Brasília e São Paulo. São mais 20 empresas nas mais diferentes áreas, mídias digitais, advocacia, educação”. Outros projetos importantes do IMD é a implementação de uma rede de banda larga que vai conectar as 650 escolas púbicas nos 10 municípios da grande Natal, onde reside mais de 40% da população do estado. O investimento é de R$ 20 milhões em parceria com o Ministério da Educação e Secretaria da Educação.

 

Laboratório Natalnet-DCA

O Natalnet é um laboratório multidisciplinar que existe desde 2003. Inicialmente começou com rede de computadores, mas hoje trabalha com realidade virtual e robótica, voltado para uma visão computacional e robótica educacional. “Ensinamos crianças a programar e montar robôs”, informa Aquiles Medeiros Burlamaqui, um dos coordenadores do Natalnet. O Natalnet está desenvolvendo um projeto direcionado para escolas públicas que visa a inclusão digital para ensinar os alunos a construírem um robô de baixo custo. O laboratório ainda tem projetos para construção de um drone que seria utilizado para fazer mapeamento de áreas, e outro projeto para pessoas em reabilitação motora que utilizam uma espécie de game para ajuda pacientes a fazerem os movimentos necessários de uma forma lúdica. 

 

Laut – Laboratório de Automação em Petróleo

O Laut desenvolve tecnologia na área de automação em petróleo. O Laut tem um software desenvolvido desde 2007, usado pela Petrobras para supervisão de postos terrestres, instalado em cerca de 7 mil postos em seis estados do país (RN, CE, AL, ES e BA). Também foram desenvolvidos pelo laboratório projetos de automação inteligente aplicada a plataforma do pré-sal. “O objetivo é aumentar a eficiência do processo, reduzir o número de paradas, de falhas e diminuir o estresses dos equipamentos”, garante André Maitelli, coordenador do laboratório. Além disso o Laut também já desenvolveu dois sistemas mecânicos, entre eles uma unidade de bombeio inteligente e outra de bombeio mecânico de petróleo. “Desenvolvemos e patenteamos a unidade inteligente, que faz o balanceamento e ajuste de curso automático de uma unidade de bombeio”, frisa o coordenador. O laboratório foi formalizado em 2008 e desde o início já foram executados cerca de 30 projetos, entre projetos mecânicos e sistemas baseados em Software. 

 
Tecnologia em alta I: Pernambuco, uma ilha de ponta

Tecnologia em alta II: Bahia, investimento multinacional

Tecnologia em alta III: Ceará, o novo polo nordestino

Tecnologia em alta IV: Produção intensa na Paraíba

Notícias relacionadas