menu

Brasil

11/02/2016


Temer diz que ação do PSDB ao TSE é “inconformismo”

O vice-presidente Michel Temer definiu como "inconformismo" a motivação do PSDB ao apresentar ação ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em que pede a cassação da chapa formada por ele e pela presidente Dilma Rousseff, vencedora das eleições de 2014.

Reportagem da Globonews nesta quinta-feira cita trechos do texto da defesa de Temer: "Trata-se, uma vez mais, de mero inconformismo com o resultado eleitoral, insuficiente para a severa intervenção da justiça Eleitoral".

Para os advogados, os tucanos não apresentaram nenhuma prática com "gravidade suficiente a ocasionar desequilíbrio ao pleito" e por isso não haveria necessidade de o TSE rever o resultado das urnas.

O documento aponta ainda que as doações recebidas pela campanha de empreiteiras investigadas na Lava Jato não configuram caixa 2 e não são irregulares, como sustenta o PSDB. E destaca que o partido autor da ação também recebeu quatnias "vultosas" dessas mesmas empresas.

"Doação recebida e declarada de pessoa jurídica com capacidade contributiva, independente do que diga um delator, não é caixa dois. Até porque, como visto, o partido autor foi agraciado com vultosas quantias das mesmas empresas, logo, não há mau uso da autoridade governamental pelos representados, afastando o possível abuso de poder político", diz o texto.

Em outro ponto, a defesa de Temer aponta uma "tentativa" do PSDB de "trazer a Operação Lava Jato para dentro do TSE". A defesa foi apresentada na noite desta quarta-feira, antes de Dilma. Segundo o advogado da presidente, Flavio Caetano, as duas defesas estão sintonizadas, na mesma linha. "É uma mesma estratégia", disse.

Notícias relacionadas