menu

Brasil

25/05/2015


Temer diz que ajuste vai até o fim em beneficio do País

O vice-presidente da República e articulador político do governo, Michel Temer (PMDB), disse hoje a jornalistas que "o ajuste final vai até o fim", conforme ficou acertado com lideranças da base governista, com quem Temer se reuniu no Congresso. Temer confirmou que esta é realmente uma "semana decisiva" para as medidas do ajuste fiscal e avaliou que "o Senado Federal vai compreender o ajuste fiscal e vai aprovar" as medidas. Questionado sobre a intenção do governo de deixar caducar a Medida Provisória 664, Temer respondeu que o Planalto "quer levar até o final [o ajuste], inclusive a [MP] 664".

 

"Agora há pouco nós tivemos uma reunião com as lideranças e ficou decidido que o ajuste fiscal vai até o fim. Vai até o fim em benefício do país", disse o vice-presidente, depois de reação de senadores petistas, na semana passada, que afirmaram que votariam contra as propostas.

 

"Dá tempo de conversar, de dialogar com o PT, acho que é possível ainda trazer os votos. Acho que teremos votos necessários e suficientes para a aprovação", acrescentou, minimizando o movimento liderado pelo senador Lindebergh Farias (PT-RJ).

 

Segundo ele, o PT "está vestindo" a camisa do ajuste fiscal, "são apenas dois companheiros que estão com dúvidas em relação a isso, mas acho que até o momento da votação ainda é possível convencê-los". Além de Lindbergh, que chegou a pedir a cabeça do ministro Joaquim Levy, o senador Paulo Paim (PT-RS) é contra o ajuste.

 

Temer cobrou e a presidente Dilma Rousseff determinou, hoje pela manhã, que os ministros – principalmente os que fazem parte da reunião de articulação política – tentem por fim à rebelião no PT anunciada contra o ajuste.

 

Temer argumentou, junto à presidente, que na qualidade de presidente do PMDB não tem tanta influência como os ministros e líderes do partido sobre os senadores petistas, informa o jornalista Tales Faria, do portal iG. De acordo com o vice, uma rebelião na bancada do Senado pode servir como senha para os demais partidos da base governista também votarem contra o ajuste.

Notícias relacionadas