menu

Brasil

27/12/2016


Temer sonha ser “maior presidente nordestino”, mas foge de protestos

Michel Temer, que fez sua primeira viagem a Alagoas nesta terça-feira (27) afirmou que, apesar de ser natural de São Paulo quer chegar ao final do mandato como "o maior presidente nordestino que passou pelo Brasil". "Vocês já ouviram aqui um grande relato de tudo que o governo federal está fazendo no Nordeste. Naturalmente tudo isso passa pela minha mesa. É que eu tenho um objetivo e um sonho: que ao final do meu mandato, embora sendo eu de São Paulo, vocês possam dizer 'esse foi o maior presidente nordestino que passou pelo Brasil'", disse.

A declaração do peemedebista foi feita na Região Nordeste, área que é considerado um dos principais redutos políticos do PT e terra natal do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, um dos maiores críticos do governo Temer desde que este chegou ao poder por meio do impeachment da presidente eleita Dilma Rousseff.

Apesar da declaração de "amor ao Nordeste", Temer foi recebido com protestos realizados por manifestantes em diversas ruas de Maceió. Mesmo com a estratégia da segurança em evitar passar por locais de concentração de manifestantes, Temer acabou tendo que encarar faixas, cartazes e gritos de protestos na entrada do Centro de Convenções.

Durante o evento, homens do Exército fecharam os portões do Centro de Convenções, enquanto os manifestantes, sindicalistas, estudantes e membros de movimentos sociais protestavam na entrada do local. Em razão do forte esquema de segurança muitos deputados estaduais e secretários de Estado, que chegaram atrasados foram impedidos de ter acesso à cerimônia. , ficaram barrados na entrada do prédio.

Leia mais na matéria da Agência Brasil.

Pedro Peduzzi, repórter da Agência Brasil – O presidente Michel Temer anunciou hoje (27), em Maceió, R$ 755 milhões em investimentos para a construção de 133 mil cisternas, microaçudes e programas de acesso à água em 15 estados do país que sofrem com a seca.

Durante o anúncio, Temer disse que pretende, ao final de seu mandato, ser lembrado como "o maior presidente nordestino que passou pelo Brasil", apesar de ter nascido no interior de São Paulo.

"Vocês já ouviram aqui um grande relato de tudo que o governo federal está fazendo no Nordeste. Naturalmente tudo isso passa pela minha mesa. É que eu tenho um objetivo e um sonho: que ao final do meu mandato, embora sendo eu de São Paulo, vocês possam dizer 'esse foi o maior presidente nordestino que passou pelo Brasil'", disse o presidente ao lado de governadores do Nordeste e ministros.

A expectativa é de que mais de 1 milhão de pessoas em 759 municípios sejam beneficiadas com os projetos, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.

Temer disse que o Nordeste será beneficiado também pelo dinheiro da repatriação de recursos mantidos no exterior. Segundo ele, haverá uma "segunda chamada" que ampliará os valores a serem divididos com os estados.

"Tenho uma boa notícia: temos novo projeto de repatriação. É uma segunda chamada para aqueles que não trouxeram, para que possam fazê-lo agora. Nessa segunda chamada já estamos introduzindo a obrigação que não só no imposto mas na multa haja divisão com estados e municípios."

O presidente disse que seu governo tem foco na responsabilidade com gastos, mas que está "fazendo muito sem nenhum carro alegórico", e lembrou que, apesar de iniciada há 15 anos, a transposição do Rio São Francisco precisa ser concluída.

"As pessoas imaginam que ao mudar governo o céu fica imediatamente azul. Isso não acontece. A transposição começou há praticamente 15 anos. Houve paralisação, mas liberamos verbas suficientes para que essas obras possam ser inauguradas. Em fevereiro vamos inaugurar o trecho leste", disse. "Meu sonho é que até final do meu mandato o Eixo Norte e outras obras sejam inauguradas. Se isso acontecer, vou dizer: fiz um bom governo", acrescentou.

Votações no Congresso

Temer voltou a elogiar a destacar o diálogo com o Congresso Nacional para a aprovação de matérias de interesse do governo. "Estamos em uma recessão muito grande e temos de combatê-la. Para isso precisamos de interlocução e diálogo com o Congresso. Graças a Deus, as medidas enviadas para lá têm sido aprovadas com índice superior a 88%."

Segundo ele, esse apoio será fundamental para a aprovação de outras medidas, em especial as que alteram a legislação trabalhista. "Outras medidas também precisam ser tomadas, como a modernização das relações de trabalho. Vamos dialogar com centrais sindicais, trabalhadores e federações de indústria." 

Notícias relacionadas