menu

Brasil

07/11/2014


TJ-PI deverá ter dificuldade em pagar o reajuste de salários aprovado pelo STF

Piauí

O presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, Desembargador Raimundo Eufrásio Alves Filho, externou sua preocupação quanto à aprovação, ainda que em caráter transitório, dos projetos de lei 7917/14 e 7918/14, do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Ministério Público da União (MPU), respectivamente, que aumentam de R$ 29.462,25 para R$ 35.919,05 o salário dos ministros do STF e do procurador-geral da República a partir de janeiro de 2015.

A aprovação aconteceu na Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados. A preocupação do presidente do TJ-PI se dá porque o aumento no salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) tem o chamado ‘efeito cascata’, o que também incidirá em reajuste para os desembargadores e juízes ativos e inativos da Justiça Estadual. No total, o impacto nas contas públicas em montante expressivo, de acordo com as justificativas das propostas.

“Com o reajuste que se encaminha, o TJ-PI terá que tirar leite de pedra para poder pagar os magistrados estaduais, uma vez que o Orçamento 2015, que foi encaminhado para aprovação na Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), não contempla este reajuste”, disse o Desembargador Presidente.

O reajuste terá impacto em todo o Judiciário, uma vez que os salários dos magistrados têm cálculos a partir do que ganham os ministros do Supremo Tribunal Federal. Os ministros do STJ ganham 95% do valor recebido pelos ministros do Supremo. Os juízes da segunda instância ganham 95% do recebido pelos integrantes do STJ. E os juízes de primeira instância ganham 95% dos de segunda instância.

 

(Do 180 graus)

Notícias relacionadas