menu

Política

12/09/2018


Turbulências refletem incerteza sobre futuro da economia durante período eleitoral, diz Eduardo Guardia

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, disse ao blog que as recentes turbulências no mercado refletem a incerteza sobre o futuro da economia do país durante a eleição presidencial. “As recentes altas do dólar e dos juros no mercado futuro refletem a incerteza sobre o futuro da economia do país durante o processo eleitoral”, afirmou Guardia.

Segundo ele, durante a eleição, a equipe econômica do governo Temer seguirá monitorando o mercado para fazer intervenções em momentos de excesso de volatilidade. “Durante a eleição, nosso papel é seguir monitorando a economia e fazer intervenções, como já fizemos quando a moeda argentina se desvalorizou 15%, de forma conjunta do Banco Central e do Tesouro Nacional”, afirmou Guardia.

“Precisamos tirar o excesso de risco dos mercados, e vamos seguir fazendo isso, como quando o Tesouro decidiu não lançar títulos prefixados porque embutem mais riscos em período de incertezas”, destacou o ministro da Fazenda. Esses títulos pagam uma taxa prefixada e acaba não tendo aceitação da parte de investidores porque podem perder rendimento se as turbulências seguirem fortes, elevando a cotação do dólar e dos juros no mercado futuro.

Depois da eleição, Eduardo Guardia disse que o papel da equipe econômica será fazer uma “transição tranquila e transparente” para o próximo governo. “Tudo vai depender de quem for eleito, é ele quem vai decidir o que será feito, mas se ele concordar estaremos prontos para ajudar a já encaminhar medidas ainda neste ano e aprovar as que estão no Congresso”, afirmou o ministro da Fazenda.

O elevado grau de indefinição atual sobre a eleição presidencial, segundo Guardia, gera as incertezas atuais na economia, mas ele diz que seja qual for o novo presidente, em sua opinião, será necessário resolver a crise fiscal. “Ou enfrentamos a crise fiscal ou teremos sérios problemas pela frente na economia”, alertou o ministro da Fazenda.

“Depois da eleição, teremos uma conversa mais profunda com os economistas do novo presidente. Vamos abrir tudo e mostrar a situação econômica do país. Será um transição bem feita, com sugestões e medidas prontas para serem encaminhadas ao Congresso ainda neste ano. Vai depender de quem for eleito, o tom a ser adotado é de quem for eleito”, disse.

Em seguida, apontou a privatização da Eletrobras, o projeto da cessão onerosa que permitirá o leilão de campos de petróleo do pré-sal, a simplificação do PIS/Cofins, a taxação dos fundos exclusivos de investimentos e o adiamento do reajuste dos servidores. “São medidas que vão gerar receita e cortar despesas, ajudando a resolver a crise fiscal”, concluiu o ministro da Fazenda.

G1

Notícias relacionadas